Xanana continua presidente do maior partido de Timor-Leste, Kalbuadi eleito secretário-geral

Xanana Gusmão mantém-se na presidência do Congresso Nacional da Reconstrucao Timorense (CNRT), não tendo havido qualquer desafio à sua liderança, e Francisco Kalbuadi foi eleito secretário-geral, derrotando a lista liderada pelo antecessor, Dionisio Babo.

Ao cargo de secretário-geral apresentaram-se três listas, tendo Francisco Kalbuadi, que era presidente da Comissão Diretiva Nacional, sido eleito com 531 votos contra os 195 obtidos pelo secretário-geral cessante, Dionísio Babo, e os 188 obtidos pelo atual presidente do Parlamento Nacional, Adérito Hugo da Costa.

Kalbuadi, atual ministro do Turismo, Arte e Cultura, tem estado ligado a alguns processos de investigação em Timor-Leste com a imprensa timorense a noticiar em outubro do ano passado que o Tribunal Distrital de Díli o estava a investigar por alegadas irregularidades no financiamento do partido em 2012.

O novo secretário-geral do maior partido timorense esteve igualmente envolvido noutra polémica relacionada com o futebol timorense e internacional.

Presidente da Federação de Futebol de Timor-Leste, Kalbuadi foi envolvido na polémica em torno dos alegados subornos pagos por Mohamed Bin Hammam, do Qatar, para conseguir levar o Mundial para aquele país.

Uma auditoria da PWC sobre a CAF e as contas de Hamman indica que terá dado cerca de 50 mil dólares a Kalbuadi Lay para "gastos pessoais".

A FFTL foi recentemente suspensa pela FIFA e pela Confederação Asiática de Futebol por utilizar 12 jogadores brasileiros com documentos falsos que alegavam ser timorenses.

Na votação do CNRT esta madrugada, a lista B, vencedora, inclui a eleição como vice-presidentes de António da Costa (Ma Huno), Virgílio Smith, Maria Rosa da Câmara, Tomás Cabral, Bendito Freitas e Francisco da Costa.

Para os cargos de vice-secretários-gerais foram eleitos Jacinto Rigoberto de Deus, Francisco Guterres e Jacinto Viegas.

Entre os derrotados nas outras listas contam-se na A liderada por Adérito Hugo da Costa o atual ministro de Estado e porta-voz do Governo, Agio Pereira e o chefe da bancada do CNRT no Parlamento Nacional, Natalino dos Santos.

A votação decorreu até à madrugada de hoje depois de uma maratona de debates iniciados na sexta-feira e que incluíram alterações aos estatutos para permitir a reeleição dos quadros dirigentes.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...