Vila Pouca de Aguiar "cresce com a diferença" através de crianças e de deficientes

Vila Pouca de Aguiar está a desenvolver o projeto "Crescer com a diferença" que junta crianças a jovens com deficiência numa partilha de atividades e de brincadeiras, como a horta ou música, que ajudaram a combater o preconceito.

"É um projeto de interação, que permitiu aos mais pequenos crescerem olhando para a diferença como algo normal, sem criar tabus, e que também ajudou alguns pais a ultrapassar essas barreiras", afirmou António Paulo, um padre ligado ao projeto.

É no Centro Social e Paroquial Padre Sebastião Esteves que se juntam as crianças que frequentam a creche e os jovens e adultos com deficiência que andam no Centro de Atividades Ocupacionais (CAO).

Todas a semanas partilham atividades desde a horta pedagógica, onde regam ou arrancam ervas, à música ou animação.

O CAO, segundo o pároco, ajudou a dar resposta aos pais que não tinham onde deixar os seus filhos com deficiência.

O projeto "tem já resultados muito visíveis", afirmou António Paulo. "Tem sido vê-los crescer e vê-los completamente desinibidos a interagir uns com os outros. Os mais pequenos vão ao colo dos portadores de deficiência e estes são carinhosos e muito atenciosos", explicou.

Para António Paulo, as repercussões do "Crescer com a diferença" são também já visíveis a nível da sociedade civil que começou a "olhar para a diferença com outro olhar".

"Para os jovens e adultos do CAO está a ser bastante importante, porque eles sentem que estão a ajudar alguém. Em vez de estarem no centro para serem ajudados pelos técnicos, com este projeto sentem que estão a ajudar as crianças, brincar com elas, dar-lhes de comer, dar algum carinho e conforto. Estão bastante contentes", afirmou Daniela Cardoso, diretora técnica do CAO.

À associação juvenil Animódia cabe o "papel mais gratificante".

Esta associação é parceira da iniciativa e acaba por, através da música e das brincadeiras dos palhaços, ligar os mais pequenos e os mais graúdos.

"Acabamos por fazer a ponte entre os miúdos", referiu José Miguel, transformado no palhaço Migalha.

O projeto e o centro paroquial contam ainda com o apoio da Câmara de Vila Pouca de Aguiar, no distrito de Vila Real.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.