Venda do dólar no mercado paralelo de Luanda estabiliza nos 390 kwanzas

O preço para comprar uma nota de dólar norte-americano nas ruas de Luanda estabilizou na última semana nos 390 kwanzas (2,10 euros), conforme ronda feita pela agência Lusa no mercado informal da capital angolana.

Depois de algumas descidas mais acentuadas entre março e abril, desde maio que cada nota de dólar norte-americano é vendida, segundo a cotação de rua, ilegal mas também indicativa para vários setores de atividade, entre os 370 e os 390 kwanzas.

Hoje só foi possível encontrar em Luanda cada dólar a ser vendido a 390 kwanzas, em todos os bairros de referência da capital, como São Paulo, Mutamba e Mártires de Kifangondo ou Roque.

Na segunda quinzena de março, cada dólar chegou a ser vendido pelas 'kinguilas' de Luanda, como são conhecidas as mulheres que se dedicam à compra e venda de divisas, a 340 kwanzas (1,82 euros), que foram então mínimos do ano.

Ainda assim, estes valores na cotação informal contrastam com o pico de 500 kwanzas (2,70 euros) por cada dólar dos primeiros dias de janeiro.

Atualmente, mantêm-se as limitações no acesso a divisas nos bancos, inclusive nas contas em moeda estrangeira, situação que torna a venda paralela, para muitos nacionais e estrangeiros, a única forma de aceder a dólares ou euros em Angola.

Angola vive desde finais de 2014 uma profunda crise financeira e económica decorrente da quebra para metade nas receitas com a exportação de petróleo, tendo desvalorizado o kwanza, face ao dólar, em 23,4% em 2015 e mais 18,4% ainda no primeiro semestre de 2016.

A taxa de câmbio oficial definida pelo Banco Nacional de Angola (BNA) cifra-se há mais de um ano em cerca de 166 kwanzas (90 cêntimos de euro) por cada dólar, quando antes do início da crise provocada pela quebra das receitas com a exportação do petróleo, ainda em 2014, era de 100 kwanzas (55 cêntimos).

A atividade das 'kinguilas' foi condenada em abril pelo governador do BNA, que advogou o seu fim.

"Não podemos ter, no nosso país, determinadas ruas que definem a referência do preço, onde se vendem dólares ou euros. Não podemos ter este nível de fluxo financeiro no mercado informal, que tem um grande impacto sobre o sistema financeiro; não podemos ter o nível de uso de notas que temos estado a ter", justificou Valter Filipe.

As taxas de rua já estiveram próximas dos 600 kwanzas por cada dólar em agosto e julho, depois de máximos de 630 kwanzas em junho, face à falta de dólares nos bancos.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG