Turismo e características regionais destacam vinhos portugueses em Dusseldord

O turismo tem conseguido captar a atenção dos importadores para o setor vinícola português, mas são, principalmente, as características intrínsecas de cada região que distinguem as marcas nacionais, confirmaram à Lusa alguns dos produtores presentes na feira ProWein.

São mais de 390 produtores nacionais a marcar presença na 25.ª edição da maior feira de vinhos e bebidas espirituosas da Europa, contando Portugal com um espaço de quase 3.000 metros quadrados.

"O nosso trabalho é de diferenciação. Vemos em cada produtor um parceiro, mas vamos demarcando-nos e criando o nosso próprio espaço, sempre através da valorização do território, na perspetiva de ver a nossa produção como algo único", disse à Lusa Luís Cerdeira da Soalheiro, marca da região norte.

Para o responsável, o interesse pelos vinhos da região de Melgaço tem beneficiado também do enoturismo, porque permite que os turistas conheçam "a realidade da adega".

O objetivo da marca passa por um posicionamento de topo no mercado dos vinhos brancos, apostando em linhas como frutados, minerais ou de altitude.

Apesar de ser hoje o primeiro dia da feira, as perspetivas são "boas", estando a Soalheiro "cheia de reuniões" agendadas.

Por sua vez, para o diretor comercial da Falua, marca de vinhos do Tejo, a presença no certame "é importantíssima", não só porque o mercado alemão "é apetecível", mas também porque é "um ponto de encontro" para compradores do todo o mundo.

"Os vinhos do Tejo são a 'next new big thing' [a próxima grande novidade]. Temos os vinhos tradicionais do Douro e Alentejo, Dão e Bairrada, mas a região que está a marcar a diferença é a do Tejo, porque os vinhos têm uma frescura fantástica", afirmou Nicolas Giannone.

Segundo o diretor comercial da Falua, os vinhos produzidos nesta região são "fáceis de beber e muito aromáticos", começando assim a ser, cada vez mais, apreciados pelos consumidores.

Prova disso, são "as muitas reuniões" agendadas, esperando a empresa que estas se transformem em "oportunidades de negócio".

Já para Diogo Campilho da Lagoalva, empresa de Santarém, "Portugal está, cada vez mais, na moda" e isso é um fator que distingue os vinhos portugueses entre os demais presentes da ProWein.

"A concorrência existe e é saudável. Quanto melhor for a concorrência, nós também temos que ser melhores. Depois, temos também que apresentar vinhos diferentes e únicos", notou.

De acordo com Diogo Campilho, a presença no certame, permite criar novos contactos e "sentar à mesa vários distribuidores", sem "ter que andar pelo mundo inteiro a ter reuniões isoladas".

Para além da Soalheiro, da Falua e da Lagoalva, estão presentes no stand português marcas como a Adega Ponte de Lima, a Ribafreixo 'Wines', a Quinta do Pinto e a Quinta da Samoça.

A feira profissional do setor vinícola contou, esta manhã, com a presença do primeiro-ministro português, António Costa, do ministro da Agricultura, Capoulas Santos, bem como do secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira.

A ProWein decorre até terça-feira e junta mais de 7.000 produtores em Dusseldorf.

Lusa/ Fim

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?