Trigo Pereira lamenta PS "a ir além da 'troika'" e deseja Governo "mais realista"

O deputado não-inscrito Paulo Trigo Pereira condenou hoje o grupo parlamentar socialista, do qual já fez parte, por estar "a ir além da 'troika'" em termos de política orçamental e seus limites, desejando que o Governo seja "mais realista".

"Apresentei um projeto de resolução a recomendar ao Governo uma negociação com a Comissão Europeia cujo efeito seria manter a consolidação orçamental atual. Assim evitando quer o laxismo orçamental e o descontrolo financeiro, quer o seu oposto, um esforço excessivo adicional sobre famílias e empresas. O PS foi o único partido que votou contra esse projeto, o que levou à sua rejeição", descreveu, em declaração política, no parlamento.

Trigo Pereira questionou se os deputados do PS se aperceberam do "alcance" do que estava em causa, pois "o voto para manter o objetivo de médio prazo significa exigir que Portugal tenha um excedente primário da ordem dos 4,5% do PIB em 2021, ou seja, 9.000 milhões de euros de excedente primário".

"Tem o grupo parlamentar do PS a noção das implicações orçamentais nos próximos anos da redução das propinas no ensino superior, do descongelamento das carreiras e atualização salarial na função pública, de novos subsídios de apoio aos cuidadores informais, da contratação de mais médicos e enfermeiros? Acho que não. Não é possível melhorar a qualidade dos serviços públicos e querer simultaneamente ter excedentes desta natureza", afirmou.

O parlamentar que se desvinculou dos socialistas insistiu: "estávamos habituados a ver PSD e CDS a ir para além da ?troika', mas ter o PS a aceitar a redução do espaço de decisão democrática nacional e ir para além do Tratado Orçamental, não deixa de ser contraditório e preocupante".

"Só esperamos que o governo do PS seja mais realista e menos conservador do que o seu grupo parlamentar mostrou aqui ser", desejou.

Nenhum grupo parlamentar, nem mesmo o do PS, se mostrou interessado em interpelar Trigo Pereira em seguida para pedidos de esclarecimento.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.