Timor-Leste com nova moeda de 200 centavos a circular no país a partir de hoje

Timor-Leste tem a partir de hoje uma nova moeda de 200 centavos, com um valor equivalente a dois dólares americanos, que visa reduzir a dependência e o elevado custo associado à substituição de notas de menor denominação.

A moeda foi lançada hoje numa cerimónia na sede do Banco Central em Díli, presidida pelo primeiro-ministro, Rui Maria de Araújo, ocorrendo quatro anos depois do lançamento da moeda de 100 centavos, em 2013.

A moeda que hoje entra em circulação - coincidindo com o 6.º aniversário do Banco Central - junta-se às de 100, 50, 25, 10, 5 e 1 centavos que já circulavam no país, onde a moeda oficial é o dólar americano.

Abraão de Vasconselos, governador do Banco Central, disse que a entidade continua a zelar pela circulação de moeda em Timor-Leste, essencial para a economia do país, e que importa reduzir os custos.

"O custo de repatriação de notas de um dólar, cinco dólar e 10 dólares - que ficam danificadas - é muito elevado. O nosso objetivo é continuar a reduzir a despesa com o uso da moeda", referiu.

Rui Maria de Araújo, chefe do Governo, saudou os esforços que o Banco Central tem vindo a desenvolver nos últimos anos para ajudar a fortalecer a economia timorense, inclusive como 'garante' da gestão do Fundo Petrolífero, principal fonte de financiamento do Estado.

Com um diâmetro de 25,5 milímetros e um peso de 8,46 gramas, a moeda tem um núcleo central dourado e um externo prateado - idêntico ao da de 100 centavos.

Na face principal, e como ocorre nas restantes moedas, a de 200 centavos tem um kaibauk, o adorno tradicional de cabeça usado em Timor-Leste.

O verso tem o Matebian, a segunda montanha mais alta de Timor-Leste e um local que serviu de refúgio aos elementos da resistência que combateram a ocupação indonésia, um búfalo e um arrozal, elementos centrais da cultura e economia nacionais.

O búfalo já era o símbolo principal do logótipo do Banco Central.

Sara Brites, vice-governadora do Banco Central, explicou que o objetivo da introdução da nova moeda - com um valor facial correspondente a dois dólares americanos - é de reduzir a dependência do país em notas de menor denominação.

"Esta moeda ajudará a reduzir significativamente o custo anual que o Governo anualmente tem em substituir as notas de 1, 5 e até 10 dólares, as mais usadas e mais rapidamente danificadas", explicou.

A vice-governadora explicou à Lusa que atualmente estão a circular no país cerca de 16 milhões de dólares nas moedas de centavos e que se espera distribuir nos próximos anos cerca de 6 milhões nas moedas de 200 centavos.

Timor-Leste tem anualmente que importar todas as moedas e notas que são usadas em Timor-Leste o que, no caso das notas norte-americanas representa um elevado custo, especialmente devido à segurança necessária.

As moedas eram cunhadas na Casa da Moeda em Portugal até ao ano passado e começam agora a ser cunhadas na Austrália.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG