Teatro pode salvar humanidade da tirania dos algorítmos - Mensagens do Dia Mundial

A dramaturga mexicana Sabina Berman defende que o teatro é a manifestação adequada para salvar a humanidade da submissão aos algoritmos, na "ordem tirânica" global, como sustenta o encenador britânico Simon McBurney, nas mensagens do Dia Mundial do Teatro.

A latino-americana Berman e o europeu McBurney fazem parte do grupo de cinco atores, encenadores e dramaturgos, escolhidos pelo Instituto Internacional do Teatro (IIT), criado há 70 anos, para escreverem a mensagem de 2018 do Dia Internacional do Teatro, que se assinala a 27 de março.

As mensagens são igualmente assinadas pelo encenador Ram Gopal Bajaj, da Índia, ex-diretor da Escola Nacional de Drama de Nova Deli, por Maya Zbib, do Líbano, fundadora da companhia Zoukak, e pela artista mulidisciplinar camaronesa Wèrê Wèrê Liking, radicada na Costa do Marfim, além de Sabina Berman, escritora, dramaturga e jornalista mexicana, e do ator britânico Simon McBurney, um dos criadores do Théâtre de Complicité.

"Mais do que a literatura, mais do que o cinema, o teatro - que exige a presença de seres humanos diante de outros seres humanos - é maravilhosamente adequado à tarefa de nos salvar de nos tornarmos algoritmos. Abstrações puras", defende Sabrina Berman, na sua mensagem.

Comemorar o 70.º aniversário do IIT e sublinhar o aspeto intercultural e internacional do teatro foram os motivos para o conselho executivo deste organismo ter decidido selecionar cinco personalidades para criar outras tantas mensagens do Dia Mundial do Teatro, uma para cada região da organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO): África, Américas, países árabes, Ásia-Pacífico e Europa.

Para Sabina Berman, o teatro é "a forma mais simples de representação", mas também a "única forma viva" de o fazer, e a que "mais intimamente nos conecta com a mais maravilhosa habilidade humana, a de representar o outro".

A dramaturga considera ainda que, atualmente, "nas margens finais do Humanismo, da era do Antropoceno, em que os seres humanos são a força natural que mais se transformou e mais transformou o planeta", a missão do teatro consiste em "resgatar a conexão com o mundo natural".

O teatro "é a arte mais antiga e mais maravilhosa", sustenta Berman, apresentada pelo ITT como a mais importante dramaturga mexicana contemporânea.

O ator e ex-diretor da Escola Nacional de Drama de Nova Deli Ram Gopal Bajaj defende a necessidade de atualmente se apelar para a defesa do planeta, sublinhando que as artes 'performativas' devem ser disponibilizadas às crianças desde o ensino primário, como forma de as tornar mais sensíveis à justiça e à vida da natureza.

Considera ainda que o teatro "se tornará mais importante para o sustento da própria vida", pelo que é necessário capacitar o artista e espetador, sem que um e outro se ameacem nesta "era cósmica de união".

Por seu turno, a escritora e diretora libanesa Maya Zbib sublinha a importância do teatro como fator de reunião e elemento congregador entre as pessoas na sociedade atual, uma sociedade de "isolamento e solidão", e de "uma cultura global de medo desenfreado do outro".

Nas palavras da cofundadora da companhia de teatro ZouKak, o teatro é importante para derrubar barreiras de xenofobia, racismo e de situações de guerra. E considera que a comunidade teatral internacional tem um papel coletivo a desempenhar, "hoje mais do que nunca".

"Como fabricantes de teatro do mundo, não seguimos uma ideologia ou um sistema de crença, mas temos em comum a nossa eterna busca da verdade, em todas as suas formas, o nosso contínuo questionamento do 'statu quo', o nosso desafio de questionar sistemas de poder opressivo e, por último, mas não menos importante, a nossa integridade humana", sustenta.

O escritor, ator e encenador britânico Simon McBurney considera que, na ordem mundial "tirânica" em que se vive, e onde a "indiferença é uma moeda", o teatro enquanto "arte de nos despossuirmos", mostra a verdade interior.

E sendo também o teatro uma forma de "retorno ritual", mostra igualmente como "aquilo que pensávamos ser o limite da nossa consciência individual, é também algo sem fronteiras, que compartilhamos", acrescenta o cofundador do Teatro da Cumplicidade, em Londres.

A artista multidisciplinar Wèrê Wèrê Liking considera que o teatro "convoca e envolve todos os seres humanos" a terem "mais respeito por si e pelos outros" e a "favorecer os melhores valores humanistas, na esperança de recuperar uma melhor humanidade para todos".

A artista apela, na sua mensagem, a que todos os teatros se tolerem e aceitem, para que haja "mais paz no mundo".

O Dia Mundial do Teatro foi criado em 1961, pelo ITI, com o objetivo de promover a arte do teatro.

Um dos eventos mais importantes associado à efeméride é a circulação da Mensagem do Dia Mundial do Teatro, em defesa desta expressão, como cultura de paz. A primeira mensagem do Dia Mundial do Teatro foi escrita pelo escritor francês Jean Cocteau, em 1962.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.