Tancos: Assessor militar entregou cópia do "memorando" ao chefe de gabinete do PM

O assessor militar do primeiro-ministro, major-general Tiago Vasconcelos, disse hoje que entregou ao chefe de gabinete de António Costa cópia do "memorando" sobre a recuperação do material furtado em Tancos no dia 12 de outubro de 2018.

Ouvido na comissão de inquérito sobre o furto de Tancos, o militar relatou que a 11 de outubro pediu cópia do documento ao então ex-chefe de gabinete do ex-ministro Azeredo Lopes, Martins Pereira, e que o general lho entregou "no dia 12 de manhã".

"Ele prontificou-se a dar-me cópia do documento e deu-me no dia 12 de manhã, um documento sem timbre, sem data. Falei com o chefe de gabinete do primeiro-ministro [Francisco André] e disse-lhe 'passa-se isto assim-assim' e eu entreguei o documento ao chefe de gabinete no dia 12", relatou.

"Não sei qual foi o destino subsequente do documento", disse.

No mesmo dia, à tarde, o ex-ministro da Defesa Nacional Azeredo Lopes anunciou a demissão do cargo, facto que levou o deputado do CDS-PP António Carlos Monteiro a questionar se terá sido coincidência.

"Não faço ideia", respondeu Tiago Vasconcelos.

Questionado pelos deputados do PS sobre se viu no documento alguma responsabilidade do então ministro Azeredo Lopes, do primeiro-ministro ou do ex-chefe do Estado-Maior do Exército numa eventual encenação ou encobrimento, o militar respondeu: "zero".

"E realmente não se vê aqui [no documento] evidência de qualquer crime", considerou.

O assessor militar do primeiro-ministro solicitou a Martins Pereira cópia do "memorando" na sequência de notícias divulgadas dias antes, segundo as quais o ex-investigador da PJM Vasco Brazão entregou ao ex-chefe de gabinete de Azeredo Lopes um documento sem timbre e sem data descrevendo uma "encenação" da recuperação do material furtado.

O general Martins Pereira admitiu depois que tinha recebido um documento e que entregou ao DCIAP (Departamento Central de Investigação e Ação Penal).

Na audição de hoje, e questionado sobre se entendeu que operação de recuperação do material foi uma "encenação" da PJM, o major-general declarou que "quase de certeza absoluta, o senhor primeiro-ministro não sabia de encenação nenhuma".

Tiago Vasconcelos admitiu que só "despertou" para a questão de Tancos a partir do momento em que a 14 de julho de 2018 foi noticiado que havia material em falta, entre granadas e explosivos, naquele que foi recuperado na Chamusca, quatro meses depois do furto, ocorrido em 2017.

Sobre esta questão, o major-general disse que não lhe pareceu que o "primeiro-ministro pudesse fazer outra coisa que não esperar que a investigação judicial decorresse".

Questionado pelo CDS-PP sobre o primeiro-ministro ter afirmado, em 2017, que o material tinha sido "todo recuperado", o major-general respondeu que se o primeiro-ministro o afirmou "é porque era essa a informação que tinha".

O assessor militar disse ainda que, decorrendo uma investigação judicial, a questão de Tancos "não era uma questão candente e prioritária" porque naquela altura, em julho de 2018, a "questão que ocupava mais tempo era a preparação da cimeira da NATO em Bruxelas".

O ex-ministro Azeredo Lopes, que se demitiu devido ao processo, em 2018, será o último a ser ouvido na comissão, em 07 de maio.

O furto do material militar, entre granadas, explosivos e munições, dos paióis de Tancos, foi noticiado em 29 de junho de 2017 e parte do equipamento foi recuperado quatro meses depois.

O caso ganhou importantes desenvolvimentos em 2018, tendo sido detidos, numa operação do Ministério Público e da Polícia Judiciária, sete militares da Polícia Judiciária Militar e da GNR, suspeitos de terem forjado a recuperação do material em conivência com o presumível autor do crime.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.