SMAS de Sintra apresentam lucro de 830 mil euros e reduzem perdas de água

Os Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Sintra (SMAS), no distrito de Lisboa, tiveram em 2018 um resultado líquido positivo de 830 mil euros e registaram menos perdas de água, informou hoje a autarquia.

Estes dados constam do documento de prestação de contas da empresa, que irá ser apreciado e votado na terça-feira em sede de reunião de câmara, de maioria socialista.

De acordo com o documento, os SMAS de Sintra faturaram no ano transato aos seus clientes 20.002.206 metros cúbicos de água, alcançando proveitos de cerca de 65 milhões de euros e um resultado líquido positivo de 830 mil euros.

Relativamente a 2017, verifica-se uma redução dos proveitos em 450 mil euros, mas, segundo explicou à agência Lusa o presidente da Câmara Municipal de Sintra, Basílio Horta (PS), essa perda "é compensada pelo aumento da eficiência dos sistemas de distribuição de água".

"Mais de 78% dessa redução tem origem na diminuição dos consumos das juntas de freguesia do concelho. No entanto, a eficiência dos sistemas de distribuição de água permitiu compensar este valor. Em 2017, as perdas eram de 23,4% e em 2018 desceram para 20,08%", apontou.

Segundo o autarca, a redução do volume de perdas de água foi superior a um milhão de metros cúbicos, significando uma poupança de cerca de 629 mil euros.

Relativamente aos custos operacionais, registou-se um decréscimo de 234 mil euros, o que representa uma redução de 0,4 por cento face ao ano de 2017.

No mesmo sentido, os custos com fornecimentos e serviços externos registaram uma redução de 5%.

Basílio Horta realçou, ainda, que os SMAS de Sintra iniciaram durante o ano de 2018 investimentos superiores a 11,9 milhões de euros, em empreitadas de remodelação de redes e saneamento.

Os SMAS de Sintra, que servem cerca de 186 mil clientes, tem previsto para o triénio de 2018/2021 um investimento de mais de 50 milhões de euros.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.