Sindicato de Professores reúne 2ª feira para decidir novas medidas após chumbo da AR

O Sindicato Independente de Professores e Educadores (SIPE) anunciou hoje que reunirá na segunda-feira a direção nacional para decidir as próximas medidas a tomar, após o chumbo da recuperação integral do período de congelamento das carreiras.

Em comunicado, o sindicato critica o discurso do primeiro-ministro, António Costa, e lamenta o que classifica de jogos políticos, com fins eleitorais.

"Os professores não são irresponsáveis, tal como os outros portugueses não o são e lamentamos que o senhor primeiro-ministro use essas palavras para descrever a legítima ambição de ver a sua carreira progredir de acordo com o serviço efetivamente prestado", lê-se no documento emitido pelo SIPE esta tarde.

O sindicato garante que vai continuar a trabalhar em prol da valorização da carreira dos professores, "sem intransigências e sem jogos políticos", afirmando-se independente de "partidos e interesses".

Também a líder da Frente Comum, Ana Avoila, disse hoje que o primeiro-ministro "não ganhou a guerra" na questão dos professores e das outras carreiras especiais, ameaçando "lutar até ao fim" pelas reivindicações dos trabalhadores.

O primeiro-ministro afastou hoje o cenário da ameaça de demissão do Governo, considerando que constituiu uma vitória da responsabilidade a reprovação do diploma que pretendia contabilizar a totalidade do tempo de serviço dos professores.

"Foi um resultado clarificador e uma vitória da responsabilidade", declarou o líder do executivo.

Na semana passada, numa declaração ao país, o primeiro-ministro anunciou que o Governo se demitiria, caso a Assembleia da República aprovasse em votação final global o texto saído da comissão parlamentar de Educação, prevendo o princípio de que os professores recuperariam nove anos, quatro meses e dois dias do tempo de serviço alvo de congelamento entre 2011 e 2017.

O executivo socialista estimou que a medida teria um impacto na ordem dos 800 milhões de euros em ano cruzeiro de aplicação, número que os sindicatos contestam.

O secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, citou hoje o fundador do Partido Socialista Mário Soares para dizer ao PS e ao Governo que "só é vencido quem desiste de lutar", prometendo que os professores vão continuar a luta.

À saída da Assembleia da República, onde nas galerias do hemiciclo assistiram à votação que ditou o chumbo do texto final da apreciação parlamentar do diploma sobre o tempo de serviço e que inviabilizou a recuperação dos mais de nove anos reivindicados, os líderes sindicais dos professores e outros dirigentes juntaram-se e num breve protesto deram o tom para o que ainda pode estar para vir.

PSD, PS e CDS-PP reprovaram hoje, em votação final global, o texto proveniente da Comissão de Educação para a reposição integral do tempo de serviço dos professores, que teve o apoio do Bloco, PCP e PEV.

O parlamento rejeitou também, em plenário, todas as normas propostas por PSD e CDS-PP que introduziam condicionantes financeiras à devolução integral do tempo de serviço dos professores.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?