Saída dos chineses da TAP não foi inesperada - Miguel Frasquilho

O presidente do Conselho de Administração da TAP, Miguel Frasquilho, lamentou hoje a saída dos chineses da HNA da estrutura acionista da TAP, referindo que a venda participação não foi inesperada.

Miguel Frasquilho, que falava no encontro do International Club of Portugal, em Lisboa, afirmou que foi "com pena" que recebeu a notícia da saída da HNA da composição acionista da transportadora aérea.

"Não é inesperada [a saída], são conhecidas as dificuldades, era uma questão de tempo", afirmou.

O conglomerado chinês HNA anunciou hoje num comunicado ao mercado bolsista de Xangai, a venda da participação de 9% que detinha na TAP através da Atlantic Gateway por 55 milhões de dólares norte-americanos (48,6 milhões de euros).

Mais de metade desta participação indireta na TAP foi vendida à Global Aviation Ventures LLC, fundo norte-americano de capital de risco especializado no setor da aviação, detido por David Neelman, no montante de 30 milhões de dólares (26,5 milhões de euros à taxa de câmbio atual).

O restante passou para as mãos da transportadora aérea brasileira Azul S.A. em troca de 25 milhões de dólares (22 milhões de euros), segundo comunicado enviado à bolsa da China.

Na sua intervenção, Miguel Frasquilho recordou que a estrutura da TAP continua a ser dividida entre Estado e privados, salientando que Humberto Pedrosa e David Neelman continuam como acionistas de referência da operadora aérea portuguesa.

"Posso dizer que é com pena que recebemos esta notícia" da saída da HNA, que era a "porta para oriente", referiu.

"A prazo, se queremos fazer, e queremos fazer, de Lisboa e de Portugal um 'hub' global, evidentemente que primeiro temos de consolidar a nossa estratégia de aposta no Atlântico", ou seja, América do Norte, América do Sul, África e Europa, apontou o 'chairman'.

Mas "só com a Ásia é que podemos fazer de Portugal um 'hub' global, agora com outras características, essa ideia não está abandonada", sublinhou.

Em comunicado, os chineses HNA explicaram que o negócio de venda da sua participação na transportadora aérea portuguesa envolveu a venda de uma subsidiária chamada Hainan Airlines Civil Aviation, cujos únicos bens são uma participação de 20% na Atlantic Gateway, consórcio que detém 45% da TAP. O Estado português é dono de 50% da TAP, estando os restantes 5% do capital nas mãos dos trabalhadores.

A Azul foi criada pelo empresário brasileiro David Neeleman, que detém uma participação na Atlantic Gateway. O grupo HNA chegou a ser também acionista da Azul, mas vendeu essa participação em agosto do ano passado a investidores institucionais norte-americanos.

O HNA tinha há menos de um mês aumentado de 12% para 20% a sua participação na Atlantic Gateway, numa altura em que já enfrentava problemas de liquidez. O grupo chinês tem vindo a alienar investimentos e a cancelar negócios, incluindo na indústria da aviação, que é o negócio fundamental da empresa.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG