Rússia avisa EUA para consequências do uso da força contra Irão

O Presidente russo, Vladimir Putin, comentou hoje o caso do drone americano abatido pela força aérea iraniana, avisando os Estados Unidos para as consequências do uso da força contra o Irão.

Na habitual sessão televisiva anual, em que responde a perguntas do público em direto, Putin disse que uma intervenção militar dos EUA contra o Irão desencadearia uma escalada nas hostilidades, com resultados imprevisíveis.

Para Putin, tal significaria, "no mínimo, uma catástrofe para a região".

O Presidente russo destacou ainda que o Irão aguentou os termos do acordo nuclear, apesar da retirada unilateral dos Estados Unidos, considerando que as sanções americanas contra Teerão são infundadas.

Estes comentários surgiram a propósito do caso do pequeno avião não tripulado da Marinha americana que foi abatido pela força aérea iraniana, sobre o qual, num comentário curto, feito, como habitualmente, na rede social Twitter, o Presidente dos EUA, Donald Trump, escreveu: "O Irão cometeu um enorme erro!".

Segundo um comunicado do Pentágono, o drone foi abatido quando se encontrava em "espaço aéreo internacional, sobre o estreito de Ormuz".

Washington considera que a reação do Irão foi "injustificada", já que "as informações iranianas segundo as quais o engenho aéreo sobrevoava o Irão são falsas".

Já o Irão, através da Press TV, canal de informação em inglês da televisão estatal nacional, foi o primeiro a informar que o drone "foi abatido pela força aérea", alegando violação do espaço aéreo, na província costeira de Hormozgan, no Sul do país.

O comandante dos Guardas da Revolução, general Qassem Soleimani, disse que o Irão "não tem qualquer intenção" de entrar em conflito com outra nação do mundo, mas garantiu que o país "está pronto para a guerra".

Este incidente ocorre num contexto de crescente tensão entre o Irão e os Estados Unidos e depois de, na passada quinta-feira, dois petroleiros, um norueguês e um japonês, terem sido alvo de ataques no estreito de Ormuz.

O diferendo entre os Estados Unidos e o Irão dura há bastante tempo e a crispação aumentou desde que o Presidente Donald Trump retirou os Estados Unidos, há um ano, do acordo nuclear internacional assinado, em 2015, entre os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança -- Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia e China (mais a Alemanha) -- e o Irão, restaurando sanções devastadoras para a economia iraniana.

Hoje, na já referida sessão televisiva, o Presidente russo disse estar disponível para se reunir com Donald Trump, ainda que frisando não acreditar num aliviar da tensão entre Moscovo e Washington.

Trump já disse que se reunirá com Putin à margem do encontro do G-20 em Osaca, Japão, na próxima semana, mas ainda não pediu formalmente um encontro.

"O diálogo é sempre bom e necessário", comentou Putin. "Se a parte Americana mostrar interesse nisso, estamos naturalmente disponíveis para o diálogo, tanto quanto estejam os nossos parceiros", acrescentou.

Rússia e Estados Unidos devem focar-se no controlo de armas, defendeu Putin, antecipando que, à aproximação das eleições presidenciais americanas, as relações entre as duas potências "não serão fáceis".

Refutando as acusações de interferência russa para favorecer a eleição de Donald Trump nas últimas eleições americanas, em 2016, Putin reconheceu, ao contrário, que a reeleição do atual presidente dos EUA tornará o aliviar da tensão entre os dois países menos provável.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.