Região de Coimbra lança incubadora de projetos de inovação social

Coimbra, 17 jun 2019 (Lusa) - A comunidade intermunicipal da Região de Coimbra (CIM/RC) apresentou hoje uma iniciativa, que terá a duração de três anos e que inclui uma incubadora de projetos de inovação social, revelou o vice-presidente daquela entidade.

"Queremos que a incubadora dê respostas a empreendedores sociais", disse Carlos Monteiro, vice-presidente da Região de Coimbra e presidente da Câmara da Figueira da Foz, adiantando que iniciativa hoje apresentada visa "promover o empreendedorismo e a inovação social" em cada um dos 19 municípios da CIM/RC.

Filipe Cardoso, do Centro de Inovação Social / i9 Social, afirmou, por seu turno, que o programa destina-se a empreendedores e organizações do setor social, setor público, empresas e universidades, e que a incubadora, que estará a cargo do Instituto Pedro Nunes (IPN), "uma referência na incubação", irá tentar "por no terreno o trabalho de todos em conjunto".

De acordo com o responsável do programa, este visa "desenvolver soluções inovadoras para problemas sociais". Avisou, no entanto, que o projeto "não vem substituir nada do que é tradicional, mas quer ser complementar".

"Para novos desafios, novas respostas", enfatizou Filipe Cardoso, mesmo assumindo que "vai levar algum tempo" a serem aplicadas estas medidas.

"Tudo o que é novo é mais difícil [de implementar] em relação ao que já se faz há 30 anos", reconheceu.

A metodologia do projeto inclui a medição e monitorização do seu impacto social em cada um dos 19 municípios da Região de Coimbra, a maior comunidade intermunicipal do país, através de um Observatório para o Impacto Social, que recolherá dados das redes de cooperação e parcerias a estabelecer.

"Todos terão avaliação de impacto", esclareceu Filipe Cardoso, afirmando que essa avaliação estará disponível num relatório no final do projeto, em 2022.

Questionado pela Lusa sobre exemplos práticos de inovação social, Filipe Cardoso apontou a Associação Escolíadas, (promotora do i9social e sediada no município da Mealhada), com trabalho realizado na promoção do sucesso escolar e prevenção do abandono escolar, através das artes, entre outras intervenções.

O trabalho com cada um dos 19 municípios da CIM/RC, acrescentou Filipe Cardoso, passa por identificar propostas "que todos têm e já existem ou outras que são inovação social e não estão estruturadas", reunindo no projeto uma ou mais entidades locais.

A iniciativa hoje apresentada tem uma dotação orçamental de 250 mil euros - financiada a 70% pelo programa Portugal Inovação Social e em 30% pela CIM/RC - e inclui, para além destes dois organismos, o IES - Social Business School, Universidade de Coimbra (através do Observatório de Cidadania e Intervenção Social da faculdade de Psicologia e Ciências da Educação), IPN e a consultora Skillent, especializada em soluções para problemas sociais.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?