Rali de Portugal teve impacto de 138 ME na economia nacional em 2018

O Rali de Portugal gerou um impacto direto de 138,3 milhões de euros (ME) na economia portuguesa em 2018, estima um estudo encomendado pelo Automóvel Club de Portugal (ACP), divulgado na quarta-feira.

De acordo com o Estudo do Impacto do Rali de Portugal na Economia e Turismo, metade do retorno verificou-se em despesa direta assegurada por adeptos e equipas na região onde decorreu a prova do ACP: 72,9 ME, mais 1,7 ME face a 2017, registando assim um novo recorde no impacto que o evento provoca anualmente no país.

O ACP estima que a relevância do Rali de Portugal para a economia desde 2007, ano em que a prova regressou ao campeonato do mundo, "registou 1.173 ME numa perspetiva agregada, contributo que nenhum outro evento desportivo ou turístico organizado anualmente em território nacional atinge", anunciou o clube, em comunicado.

Segundo o mesmo estudo, realizado pelo do Centro Internacional de Investigação em Território e Turismo da Universidade do Algarve, face ao volume e tipologia de gastos dos adeptos, "é possível estimar que residentes e turistas com despesas afetas ao Rali de Portugal 2018 proporcionaram ao Estado uma receita fiscal bruta superior a 20 milhões de euros (IVA e ISP), representando 28,7% de impostos face à despesa direta total".

Em 2019, o Rali de Portugal decorre de 30 de maio a 02 de junho.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.