PSD questiona governo sobre capacidade operacional da PSP

O PSD questionou hoje o Governo sobre que medidas serão tomadas de imediato para que a PSP mantenha a capacidade operacional, e quer saber também que planos existem para fazer face à diminuição do efetivo policial.

O grupo parlamentar social-democrata lembra, em perguntas endereçadas ao ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, o último Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) para dizer que se agravou o saldo negativo entre entradas e saídas de polícias em 2017.

A PSP foi a força de segurança que "sofreu a maior perda, com a saída de 921 elementos e a entrada de apenas 305", dizem os deputados social-democratas, citando RASI, salientando depois que atualmente o efetivo da PSP é o mais baixo de sempre, com 20.217 elementos.

Os deputados lembram também que para este ano e o próximo está prevista a saída para pré-aposentação de até 1.600 polícias.

"Mesmo com a incorporação de mais 400 novos agentes que resulta do concurso aberto no ano passado, prevê-se um decréscimo acentuado no efetivo da PSP" o que "pode vir a comprometer a sua operacionalidade e, em especial, os programas especiais de policiamento de proximidade e das estruturas especializadas", como o Programa Escola Segura e Violência Doméstica, escrevem os deputados.

De acordo com o Regimento da Assembleia da República os deputados podem fazer perguntas e apresentar requerimentos ao Governo e à Administração Pública, estando estes obrigados a responder no prazo de 30 dias.

As perguntas são instrumentos de fiscalização e atos de controlo político e só podem ser feitas ao Governo e à Administração Pública, não podendo ser dirigidas à administração regional e local, diz também o Regimento.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.