Projetos do Brasil e Guiné-Bissau ganham prémio da ONU para meio ambiente

Bissau, 06 jun 2019 (Lusa) - A Associação Indígena Kisêdjê e o Conselho Indígena de Roraima, do Brasil, bem como o Conselho de gestão da Área Marinha Protegida Comunitária Urok, na Guiné-Bissau, foram dois dos projetos vencedores do Prémio Equador das Nações Unidas, anunciou a organização.

O prémio, organizado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), destaca soluções, inovadoras e com base na natureza, que permitam enfrentar os desafios das mudanças climáticas, meio ambiente e pobreza.

Os 22 vencedores da edição deste ano, selecionados de um grupo de 847 candidatos de 127 países, recebem um prémio de 10 mil dólares (8.850 euros), numa cerimónia agendada para Nova Iorque, a 24 de setembro, durante a 74.ª Assembleia Geral das Nações Unidas.

No Brasil, a Associação Indígena Kisêdjê, localizada no estado de Mato Grosso, que o PNUD considera um dos "mais desflorestados do Brasil", a ONU "transformou o 'status quo', recuperando as suas terras tradicionais e desenvolvendo um modelo de negócio inovador que utiliza o pequi, uma árvore nativa, para restaurar paisagens, promover a segurança alimentar e desenvolver produtos para o mercado local e nacional", referem as Nações Unidas.

Quanto ao Conselho Indígena de Roraima, o PNUD diz que esta aliança indígena "garantiu os direitos de 1,7 milhões de hectares de terras tradicionais para 55 mil povos indígenas." Ao mesmo tempo, adianta a ONU, ainda "promove a resiliência ecológica e social por meio da conservação de variedades tradicionais."

Já a zona marítima protegida das ilhas Urok, nos Bijagos, sul da Guiné-Bissau é a vencedora do prémio do PNUD devido à excelência do trabalho de conservação e desenvolvimento sustentável.

Segundo a carta da organização do prémio, a que a Lusa teve acesso, a organização não-governamental (ONG) guineense Tiniguena, enquanto dinamizadora das ações na área protegida das ilhas Urok, foi uma das vencedoras.

Na carta agradece-se "o notável trabalho" da Tiniguena no domínio da conservação, preservação do meio e ainda da promoção de um desenvolvimento sustentável dos habitantes de Urok, que compreende as ilhas de Maio, Formosa e Nago, bem como pequenos ilhéus, numa superfície de 545 quilómetros quadrados.

Com a dinamização da Tiniguena, os habitantes das ilhas Urok são descritos como "utilizadores do conhecimento tradicional para proteger o ecossistema marinho e de mangais críticos para mitigar as alterações climáticas, reduzir a erosão costeira e assegurar meios de subsistência sustentáveis para os povos indígenas dos Bijagós."

O prémio Equatorial, que existe desde 2002, já foi entregue a vencedores do prémio Nobel, como Al Gore e Elinor Ostrom, os ambientalistas Jane Goodall e Jeffrey Sachs, os filantropos Richard Branson e Ted Turner ou as celebridades Edward Norton, Alec Baldwin e Gisele Bündchen, pelo seu papel na preservação do meio ambiente.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.