Primeira edição da feira de arte contemporânea JustLX reúne 43 galerias em Lisboa

A primeira edição da feira internacional de arte contemporânea JustLX vai decorrer de 17 a 20 de maio, no Museu da Carris, em Lisboa, com 43 galerias, 15 portuguesas e duas brasileiras, foi hoje anunciado pela organização.

De acordo com a ArtFairs, entidade espanhola que organiza a feira, e que fez hoje a apresentação aos jornalistas, em Lisboa, o tema desta primeira edição será "o compromisso tecnológico e meio-ambiental, como ponto de partida na criação contemporânea".

Daniel Silvo, um dos membros da direção artística do certame, disse à agência Lusa que esta feira não pretende fazer concorrência à ARCOlisboa, mas sim "constituir-se como um complemento, com um perfil de galerias, também contemporâneo, de qualidade e internacional".

A terceira edição da ARCOlisboa - Feira Internacional de Arte Contemporânea de Lisboa vai regressar este ano à Cordoaria Nacional, no mesmo período, com 71 galerias de arte contemporânea de 14 países.

"Nós somos diferentes e seremos um complemento", apontou Daniel Silvo, comissário e artista, acrescentando que a ideia é aproveitar os visitantes da ARCOlisboa, interessados em arte e apresentar mais uma oferta no mesmo setor.

A empresa espanhola ArtFairs organiza a JustMad -- Feira Internacional de Arte Emergente desde há nove anos, em Madrid, uma feira de arte contemporânea internacional que recebe cerca de 20 mil visitantes por ano e tem a participação regular de quatro a seis galerias portuguesas, disse à Lusa Daniel Silvo.

Lisboa não será a primeira internacionalização da JustMad, já que, em 2012, organizaram uma feira de arte contemporânea em Miami, nos Estados Unidos.

Aposta forte da JustLX serão iniciativas artísticas no continente africano, com uma secção coordenada pela artista Gloria Oyarzábal, que irá colocar em destaque as propostas de artistas e galerias em África.

O projeto conta ainda na direção com o português Lourenço Egreja - comissário independente e um dos fundadores do Carpe Diem Arte e Pesquisa - e Semíramis González.

No programa geral estão as galerias 111, (Lisboa, Portugal), Fúcares (Almagro, Espanha), Módulo (Lisboa, Portugal), 55sp (São Paulo, Brasil), Gema Llamazares (Gijón, Espanha), Trema (Lisboa, Portugal), Espacio Líquido (Gijón, Espanha), Arte Periférica (Lisboa, Portugal), Aurora Vigil-Escalera (Gijón, Espanha), Art Concept Alternative (Flórida -- Estados Unidos), A Pequena Galeria (Lisboa, Portugal), Guillermina Caicoya (Oviedo, Espanha), Puxa Gallery (Madrid, Espanha).

Também participam, entre outras, a Nordés (Santiago de Compostela, Espanha), Kernel (Cáceres, Espanha), Via Thorey Galeria (Vitória, Brasil), Galeria Primner (Lisboa, Portugal), Acervo (Lisboa, Portugal), Galeria Monumental (Lisboa, Portugal), Astarté (Madrid, Espanha), Galeria Sete (Coimbra, Portugal), Galeria São Mamede (Lisboa, Portugal), Galeria Bessa Pereira, (Lisboa, Portugal).

Galeria Salgadeiras (Lisboa, Portugal), Metro (Santiago de Compostela, Espanha), Carla Lariot Projects (Londres, Reino Unido), Perve (Lisboa, Portugal), The Space next Door (Madrid, Espanha), Heart Beats (Cidade do México, México), UFO Fabrik (Trento, Itália) e Arancha Osoro (Oviedo, España) estão igualmente representadas.

As galerias que participam na secção África serão anunciadas brevemente, segundo a organização.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.