Presidente da CAP critica falta de interesse dos políticos pela agricultura

O presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) criticou hoje a falta de interesse pelo setor por parte dos deputados no parlamento nacional e europeu, exigindo saber quem serão os responsáveis políticos pela área, em ano de europeias.

Eduardo Oliveira e Sousa, falava aos jornalistas no Palácio de Belém, em Lisboa, após ter reunido com o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a quem transmitiu várias preocupações sobre o setor agrícola.

Segundo o presidente da CAP, na reunião com o chefe de Estado, foram abordados assuntos "fortes na agenda do setor agrícola em Portugal", como "a questão da floresta, muita injustiça envolta do tratamento dos proprietários florestais, medidas que estão a ser equacionadas no âmbito das alterações climáticas, da água", entre outras.

O dirigente associativo afirmou que houve ainda uma "questão institucional" discutida durante o encontro com Marcelo que tem a ver com o facto de "num ano de eleições europeias" haver "uma enorme falta de saber quem são os interlocutores ao nível do parlamento em Portugal e na União Europeia que vão fazer a ligação e a defesa do setor agrícola".

"Quem são os deputados dos diferentes partidos que vão tomar a seu cargo a defesa da agricultura, da floresta, do mundo rural português", questionou Eduardo Oliveira de Sousa, acrescentando que este foi o assunto debatido "com mais veemência com o senhor presidente".

"Vai haver eleições europeias e nós precisamos de saber quem são as pessoas que vão assumir o papel de defesa do setor agrícola na Europa num ano em que o 'Brexit' pode perturbar a forma como vive a Europa, num ano em que se negoceia o novo quadro comunitário, uma nova política agrícola toda essa arquitetura tem de ter especialistas, pessoas muito focadas na defesa da particularidade do setor agrícola em Portugal", reforçou Oliveira e Sousa.

Apesar de ter sublinhado que a reunião não foi de críticas ao Governo, o presidente da CAP voltou a acusar o Governo de dar "tratamento profundamente errado" à questão da floresta, com "legislação desadequada e análise deturpada" e também à estratégia sobre a água, nomeadamente medidas para enfrentar as alterações climáticas.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.