Plataforma online "Português Mais Perto" tem 600 utilizadores em todo o mundo

A plataforma online desenvolvida pelo Instituto Camões e pela Porto Editora para o ensino de português online chegou aos 600 utilizadores no segundo ano de funcionamento, disse à Lusa o presidente do Instituto, Luís Faro Ramos.

O universo de utilizadores da plataforma "Português Mais Perto", que foi lançada no ano letivo 2017/2018, "é positivo e tem crescido", considerou o responsável, explicando que há pessoas a aprender português de forma remota nos cinco continentes.

Luís Faro Ramos falou à margem da sua primeira visita como presidente do Camões - Instituto da Cooperação e da Língua à Costa Oeste dos Estados Unidos, onde reside a maior comunidade de luso-americanos do país.

"É uma plataforma online que pode ser usada com ou sem tutor", descreveu o responsável, acrescentando que esta permite aceder ao currículo que é dado em Portugal até ao 12.º ano.

O objetivo é dar a possibilidade de estudar "em sítios onde não há escolas que ensinem a nossa língua", havendo a possibilidade de escolher Português como língua estrangeira e Português como língua de herança.

O Camões pretende agora intensificar a divulgação da plataforma, cujo lançamento inicial foi feito através de projetos pilotos em escolas dos Estados Unidos e do Canadá, que receberam as licenças de forma gratuita.

No corrente ano letivo, o Instituto alargou as experiências a escolas na África do Sul, Austrália e Venezuela, e registou um crescimento dos utilizadores individuais ou grupos, que pagam licenças entre 40 e 90 euros conforme solicitem ou não um tutor.

"É importante que as pessoas saibam que existe a plataforma Português Mais Perto", frisou Luís Faro Ramos, considerando que a licença anual "não é cara".

Esse trabalho vai passar pelo novo coordenador adjunto de ensino de português na Califórnia, Duarte Pinheiro, que acaba de entrar em funções e irá coordenar a divulgação com as associações, professores e escolas.

O início da representação institucional direta do Camões na Califórnia deverá dar um impulso às atividades de promoção da língua, num Estado onde há "um potencial de crescimento".

Foi isso que Luís Faro Ramos concluiu no final de uma visita que começou em San Diego e passou por São Francisco, com participação na conferência da cátedra Ana Hatherly do Instituto Camões na Universidade da Califórnia, Berkeley, e pela conferência anual da Luso-American Education Foundation (LAEF).

"O balanço é francamente positivo", resumiu o presidente, destacando que "o entusiasmo dos professores é contagiante" e "há uma energia muito boa" na rede, que é composta por "pessoas empenhadas e com muita vontade de ensinar" a língua portuguesa.

Luís Faro Ramos foi acompanhado pela cônsul geral de Portugal em São Francisco, Maria João Lopes Cardoso, pelo coordenador do ensino de português nos Estados Unidos, João Caixinha, e pelo novo coordenador adjunto na Califórnia, Duarte Pinheiro.

Durante a visita, o departamento de Espanhol e Português da universidade estadual em Berkeley expressou a vontade de estender o protocolo de colaboração que existe com o Instituto Camões, algo que o presidente acredita que será concretizado durante o mês de abril.

Os protocolos estabelecidos entre o Instituto e universidades na Califórnia registam neste momento 370 alunos de português no ensino superior.

O responsável destacou também o entusiasmo "notável" dos macaenses que querem aprender português como parte da sua afirmação de identidade e participaram num evento "emotivo" do Centro Cultural de Macau, em Fremont.

Luís Faro Ramos ficou ainda "surpreendido" com o testemunho da superintendente do Distrito Escolar de Hilmar, Isabel Cabral-Johnson, que falou do "interesse genuíno" das comunidades em saber mais sobre a língua e cultura portuguesas.

"Há um programa bilingue", disse o presidente do Camões, e isso "mostra que há um entusiasmo e recetividade grandes por parte das autoridades norte-americanas nesta área".

De acordo com o censo de 2010, é na Califórnia que se concentra a maior comunidade luso-americana dos Estados Unidos, mais de 346 mil pessoas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG