Plataforma 'online' Les Corps Dansants quer debater a dança e tirá-la da margem

A criadora da plataforma digital Les Corps Dansants, Maria Palma Teixeira, pretende, com este sítio 'online', promover o debate e a reflexão sobre a dança, uma área que "tem sido colocada à margem da cultura em Portugal".

Lançada esta semana pela crítica de dança Maria Palma Teixeira, Les Corps Dansants assume-se como uma plataforma digital de informação independente, especializada na área da cultura e, mais especificamente, nas artes performativas e na dança.

Contactada pela agência Lusa, a ex-professora de dança explicou que a ideia do projeto surgiu há três anos, quando estava a concluir um mestrado relacionado com a dança e a publicidade.

"Eu tinha feito crítica de dança e queria explorar esta área no panorama português, criando um 'site' especializado, mas não dirigido apenas à dança clássica e contemporânea", explicou.

A ideia de Maria Palma Teixeira foi "ir além das notícias, da crítica de dança e das entrevistas, acrescentando artigos de opinião, sugestões de livros e passatempos", numa plataforma digital dirigida ao público em geral, que será atualizada diariamente.

O objetivo - sublinhou - é "desafiar as pessoas a participar, criando mais debate sobre esta área", cobrindo todo o país.

"Vejo muitas vezes as salas de espetáculo cheias de público, mas as questões ligadas à dança não são suficientemente debatidas", considerou, defendo a necessidade de "não ficar só pela informação, mas existir um envolvimento no debate".

Questionada pela Lusa se considera que a dança continua a ser um "parente pobre da cultura" no país, como a comunidade lhe tem chamado, sofrendo, nos últimos anos de crise, a saída de intérpretes para o estrangeiro, e, antes, o desaparecimento de uma grande companhia como o Ballet Gulbenkian, a responsável considerou que "as pessoas não são devidamente estimuladas".

"As escolas levam os alunos sobretudo ao teatro, e isso não acontece com a dança, que tem sido colocada à margem da cultura, em Portugal, e acabou por ficar com um papel secundário", lamentou.

Na plataforma, além da proprietária, diretora e editora, colaboram, na área da dança e do cinema, Edite Queiroz, psicóloga, que escreve sobre teatro, cinema e dança, e a ilustração está a cargo de Ana Duarte.

Licenciada em Comunicação e Cultura, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, e Mestre em Marketing Communications, pela Middlesex University, Londres, Maria Palma Teixeira desenvolveu a sua dissertação sobre a influência da publicidade que recorre à dança clássica no comportamento do consumidor para com a marca.

Decidiu explorar a crítica de dança em 2011, enquanto colaborou com a 'webzine' cultural Arte-Factos, da qual fez parte até 2016, para a qual entrevistou coreógrafos como Olga Roriz, Clara Andermatt e Daniel Cardoso.

Frequentou o curso de História da Dança organizado pela Companhia Nacional de Bailado, com formação de Maria José Fazenda, assistida por Pedro Mascarenhas, e fez voluntariado na Chisenhale Dance Space, em Londres, enquanto assistente da professora Amy Robinson, nas aulas de Dança Criativa para Crianças.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.