PJ admite procurar nova sede para a diretoria fora de Faro - sindicato

O presidente da Associação Sindical dos Funcionários de Investigação Criminal (ASFIC) da PJ admitiu hoje a necessidade de procurar uma nova sede para a diretoria do Sul fora de Faro, devido à falta de condições do atual edifício.

A mudança de instalações da sede da diretoria da PJ, que abrange o Algarve e o Alentejo, já é falada "há pelo menos vinte anos", uma vez que o atual edifício, contíguo à Câmara de Faro, no centro histórico da capital algarvia, não reúne as condições adequadas para a prática da investigação criminal, disse à Lusa Ricardo Valadas.

"Nenhum presidente de câmara resolve a situação e os governos também continuam a adiar esta questão. Não é só neste momento uma questão da tutela, é uma questão da intenção das próprias câmaras municipais em manterem um serviço destes a funcionar na sua cidade", refere aquele responsável.

Ricardo Valadas admite procurar soluções no concelho vizinho de Loulé, apontando o exemplo de estruturas como o comando territorial de Faro da GNR, a Proteção Civil e o Serviço de Informações de Segurança (SIS), já transferidas ou em vias de se mudarem para Loulé, por falta de espaços na capital algarvia.

"[Loulé] tem sido o concelho que, de alguma maneira, tem fomentado a possibilidade de esses serviços avançarem para lá", sublinha, considerando que a falta de condições na atual estrutura da diretoria do Sul na PJ coloca em causa não só a segurança das pessoas que lá trabalham como daquelas que têm de recorrer àquela polícia.

Para o sindicato, a antiga Escola Superior de Saúde de Faro, situado à entrada da cidade, teria as condições ideais para albergar uma polícia com as especificidades da Judiciária, contudo, o edifício está na lista dos imóveis a integrar o Fundo Nacional de Reabilitação do Edificado para ali ser criada uma residência universitária.

Segundo Ricardo Valadas, a atual sede da PJ "serve perfeitamente" como residência de estudantes, com a mais-valia de se encontrar no centro da cidade, tendo em conta que é "uma prioridade da Câmara de Faro reavivar o centro histórico" da cidade

A eventual ocupação da antiga Escola de Saúde pela PJ "não acarretaria custos", apenas pequenas adaptações, uma vez que o edifício tem todas as condições, me termos estruturais e de localização, para servir a Polícia Judiciária.

De acordo com aquele responsável, o facto de a PJ se situar no centro histórico de Faro levanta diversos problemas, nomeadamente, no que respeita à segurança de utentes e inspetores, sobretudo quando se trata de vítimas de determinados crimes ou de agentes encobertos, cuja identidade tem de ser protegida.

Estando localizados à saída de Faro, também haveria acesso mais rápido ao exterior da cidade, além do facto de a escola se situar junto ao Estabelecimento Prisional de Faro, o que facilitaria o transporte de reclusos, acrescenta.

Em janeiro, durante a tomada de posse do novo responsável pela diretoria do Sul, o diretor nacional da PJ assumiu que o atual espaço na capital algarvia não tem as "condições adequadas" para o funcionamento de investigação criminal e disse estar à procura de soluções.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG