Petição pela criação de jardim no Martim Moniz juntou mais de 1.600 assinaturas

Lisboa, 01 mai 2019 (Lusa) -- Uma petição a favor da criação de um jardim no Martim Moniz, em Lisboa, reuniu mais de 1.600 assinaturas e foi entregue na terça-feira na Assembleia Municipal da capital portuguesa, indicou hoje o movimento responsável pela iniciativa.

Em comunicado, o Movimento Jardim Martim Moniz refere que a petição pretende que a Câmara Municipal de Lisboa transforme aquela praça do centro da cidade num espaço verde na sequência de "um processo assente num diagnóstico participado com ampla auscultação cívica".

O movimento justifica a criação de um jardim no Martim Moniz com a inexistência de qualquer espaço verde entre a Alameda e o Tejo, sendo uma zona sujeita a "intensa pressão urbanística, turística e sonora, onde residem milhares de pessoas".

A petição conseguiu reunir, em menos de cinco semanas e sem versão eletrónica, mais de 1.600 assinaturas, ultrapassando o número mínimo de 150 assinaturas exigido para inscrição obrigatória na ordem do dia de uma sessão ordinária da Assembleia Municipal, segundo o movimento.

A recolha de assinaturas realizou-se entre 23 de março e 25 de abril e foi criada uma rede local de sete postos em estabelecimentos comerciais e organizações, além da folha de petição estar disponível na página do movimento na Internet.

Entregue a petição, o movimento vai agora iniciar uma fase de contactos políticos juntos dos grupos representados na Assembleia Municipal de Lisboa.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.