Peça de teatro de Armando Nascimento Rosa estreia-se nos EUA

A peça "A Mãe Biológica de Marilyn Monroe", de Armando Nascimento Rosa, estreou-se na noite de sexta-feira, em Houston, nos EUA, no centro de artes MATCH, levada a palco pela companhia de teatro Luciole International Theatre.

O autor explicou à agência Lusa que a apresentação "é uma oportunidade formidável porque amplifica a recepção cénica da peça ao espaço universalizado da anglofonia, ainda para mais numa peça cujas personagens pertencem em primeiro lugar ao imaginário norte-americano."

"É muito honroso e raro para um dramaturgo português poder ver estrear uma peça sua nos EUA, em tradução inglesa, num espaço cénico com as potencialidades do MATCH", acrescentou Nascimento Rosa.

A produção americana, com encenação de Clara Ploux, ocorre sete meses depois da estreia portuguesa em Lisboa, encenada por Paulo Sousa Costa, no Teatro Armando Cortez/Casa do Artista.

O convite para trazer a peça aos EUA aconteceu através da diretora artística da companhia, a luso-americana Clara Ploux, que fora aluna de Nascimento Rosa na Escola Superior de Teatro e Cinema, em Lisboa.

"Ela deparou-se com a estreia portuguesa e de imediato entrou em contacto comigo no sentido de conhecer o texto. A feliz coincidência era já a peça estar traduzida em inglês pela britânica Susannah Finzi, o que acelerou a possibilidade imediata desta estreia ter lugar", explica o dramaturgo.

A peça para três atrizes, que foi obra finalista do Prémio Novas Dramaturgias/FITA, começa por parecer mostrar a visita de Marilyn Monroe à sua mãe demente, Gladys Baker, que vive na Flórida na companhia da sua cuidadora, a jovem Lydia Martinez, pouco tempo antes de Marilyn falecer.

"Mas este é apenas um dos vários aspectos em que a peça se revela como jogo de enganos, num crescendo de surpresas e identidades falsas. A ação da peça acaba por transformar-se num 'thriller' psicológico que envolve uma tese ficcional em torno das mortes de Marilyn e de John F. Kennedy, bem como a própria função dos espectadores em cada sessão, num jogo do teatro consigo mesmo", explica o autor.

Armando Nascimento Rosa, de 51 anos, tem vinte e um livros de dramaturgia original e ensaio publicados, incluindo peças traduzidas em sete línguas com encenações em Londres, Madrid, Barcelona, Nova Iorque, Zurique, Milão, Araraquara, Nova Orleães, Chicago e Ítaca.

Ao longo da sua carreira, já recebeu distinções como o Prémio Nacional de Teatro Bernardo Santareno, o prémio Albufeira de Literatura ou o Prémio Literário Aldónio Gomes.

A sua peça "Resgate" foi escolhida para representar Portugal no festival internacional PIIGS e "Menino de sua Avó" integra o Plano Nacional de Leitura.

É ainda professor adjunto na Escola Superior de Teatro e Cinema do Instituto Politécnico de Lisboa, desde 1998, onde coordena os mestrados em Artes Performativas e em Teatro e Comunidade.

A peça, que tem o título em inglês "The Real Mother of Marilyn Monroe", fica em cena em Houston até 04 de junho.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG