PE: Sindicatos da função pública manifestam dúvidas quanto ao crescimento salarial

Lisboa, 15 abr 2019 (Lusa) - Estruturas sindicais da administração pública reafirmaram hoje a necessidade de os salários do setor serem já revistos e consideraram que os 2,4 milhões de euros anunciados pelo Governo não garantem a recuperação das remunerações e das carreiras.

Na conferência de imprensa de apresentação do Programa de Estabilidade para 2019-2023, o ministro das Finanças, Mário Centeno, disse que as despesas com pessoal deverão crescer 2,4 mil milhões de euros na próxima legislatura, mas remeteu para o próximo Governo as decisões "sobre como afetar as despesas dentro de uma lógica de estabilidade".

Para a Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública, o anúncio de Mário Centeno mostra que "o Governo continua a ter dinheiro cativado, quando a altura de aumentar os trabalhadores é agora e não daqui a uns anos".

"O que resolveria o problema dos trabalhadores da administração pública era o Governo sentar-se já connosco para negociar os aumentos dos salários", disse à agência Lusa a coordenadora da Frente Comum, Ana Avoila.

A sindicalista manifestou dúvidas quanto ao montante referido pelo ministro das Finanças.

"Não sabemos se chega para a revisão dos salários pois os trabalhadores da administração pública não têm aumentos há 10 anos", referiu.

O secretário-geral da Federação dos Sindicatos da Administração Pública (FESAP), José Abraão, também manifestou duvidas quanto à forma de aplicar os 2,4 milhões de euros até 2023.

"Não sabemos para que dá este montante, se é só para aumentos salariais ou também para revisão geral de carreiras. É que para nós é tão importante a revisão das carreiras como a atualização dos salários", disse à agência Lusa José Abraão.

A presidente do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE), Maria Helena Rodrigues, disse à Lusa que não conseguem avaliar o montante anunciado por Mário Centeno porque não têm dados para tal.

"O Ministério das Finanças é que tem os dados. Os números não nos dizem nada, nem nos garantem nada. Mas esperamos que o Governo tenha acautelado pelo menos a atualização salarial", afirmou.

A sindicalista lembrou ainda que existem muitos serviços públicos a funcionar em más condições e que precisam de reforço de investimento, como é o caso da saúde, segurança social e justiça.

Na apresentação do Programa de Estabilidade, o ministro das Finanças considerou que as decisões que venham a ser tomadas sobre carreiras e sobre recuperação do tempo de serviço "limitam os graus de liberdade que futuros governos terão sobre a matéria".

Mário Centeno defendeu, no entanto, que no Programa de Estabilidade "existem graus de liberdade suficientes para que a evolução dos salários da administração pública portuguesa nos próximos quatro anos retome a sua total normalidade, ou seja, que se criem condições para que os aumentos salariais normais numa relação laboral possam ser também uma realidade no futuro em Portugal".

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.