Olavo Delgado Correia vence primeira edição do Prémio Literário Arnaldo França

Olavo Delgado Correia é o vencedor da primeira edição do Prémio Literário Arnaldo França, segundo foi anunciado no decorrer da Morabeza --- Festa do Livro de Cabo Verde que decorre no Mindelo, ilha de São Vicente.

Olavo Delgado Correia, que concorreu a este prémio com o pseudónimo Neto Rocha Dias, nasceu em 1967 e é natural da cidade da Praia, na ilha de Santiago.

O júri deste prémio elegeu Olavo Delgado Correia como vencedor da primeira edição do Prémio pela obra "Beato Sabino", que será agora publicado em Cabo Verde e Portugal.

Este anúncio decorreu na sexta-feira durante a sessão de boas-vindas da Morabeza e resultou da escolha do júri que, reunido no passado dia 16 de outubro, optou por esta obra, entre as 13 concorrentes, por ser "um trabalho inédito e de grande qualidade, com um enredo peculiar e uma linguagem clara e bem conseguida", segundo a presidente do júri, Vera Duarte.

O júri, do qual fez igualmente parte Daniel Medina e Paula Mendes, atribuiu uma menção honrosa a Onestaldo Ferreira Fontes, que concorreu com o pseudónimo Ivan Faruk e a obra "O Sonho de Ícaro".

Esta obra mereceu a menção honrosa "pela originalidade com que trata os temas da emigração e da traição e pela mestria na condução escrita do romance", segundo o júri.

O Prémio Literário Arnaldo França é uma iniciativa conjunta da Imprensa Nacional de Cabo Verde (INCV) e da Imprensa Nacional Casa da Moeda (INCM) e tem como objetivo "incentivar o talento literário em Cabo Verde".

Além de 5.000 euros, o vencedor terá direito à publicação da obra vencedora nos dois países.

Para o presidente da INCV, Miguel Semedo, o prémio pretende homenagear a "literatura nacional, promover os escritores cabo-verdianos e, concomitantemente, contribuir para a elevação da língua portuguesa".

Por outro lado, disse, com este prémio pretende-se prestar um merecido tributo ao homem, cidadão e escritor Arnaldo França.

"Trata-se de um reconhecimento singelo, mas recheado de simbolismo, da vida e obra do referido escritor. Esperamos ademais que este prémio sirva para aproximar uma das instituições mais antigas do país dos cidadãos", acrescentou.

Arnaldo França (1925-2015) foi um poeta, ensaísta, académico, crítico, estudioso, estadista e historiador da literatura cabo-verdiana.

O diretor da unidade de publicações da INCM, Duarte Azinheira, sublinhou a "estreita ligação entre as duas instituições e a sua missão de promover a literatura de língua portuguesa, especialmente a cabo-verdiana".

"O Prémio Arnaldo França, criado em parceria com a INCV, tem por missão promover a língua portuguesa e, simultaneamente, ajudar a criar condições para que mais talentos literários possam surgir em Cabo Verde", disse.

A promoção da língua é, segundo Duarte Azinheira, um desígnio estratégico para a INCM que se concretiza, principalmente, no seu plano de edições de serviço público e nos vários prémios literários que apoia".

"É uma felicidade que o Prémio Arnaldo França se inicie no ano em que Imprensa Nacional de Portugal comemora 250 anos de atividade contínua. Não imagino lugar melhor para apresentar este prémio que a Morabeza, uma maravilhosa festa literária".

A Morabeza arrancou em 19 de outubro e encerra no domingo.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?