NOS lança canal próprio de filmes e admite vir a ter um canal de desporto

Lisboa, 18 jun 2019 (Lusa) - A NOS lançou hoje o seu canal próprio de filmes, o NOS Studios, e admite poder vir a lançar um canal de desporto, tendo o nome NOS Sports sido registado na Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC).

"A NOS é líder em entretenimento" e os "consumidores portugueses veem cada vez mais conteúdos", afirmou o administrador executivo da operadora, Luís Nascimento, na apresentação aos jornalistas do canal NOS Studios, em Lisboa.

Este novo canal de conteúdos de filmes, dirigido a "toda a família", é pensado para "as novas tendências e multiplataformas", acrescentou, reforçando a aposta da operadora de telecomunicações na oferta de conteúdos de entretenimento.

Este canal "surge de uma procura constante de encontrar oportunidades nos nossos clientes para os deixar mais felizes connosco", prosseguiu o gestor.

Além deste canal exclusivo, a NOS obteve autorização da ERC para a "atividade de televisão através do serviço de programas temático de desporto, de cobertura nacional e acesso condicionado, denominado NOS Sports", de acordo com a deliberação do regulador media.

Questionado sobre isso, Luís Nascimento referiu que a NOS vai "garantindo" que consegue "registar e guardar marcas que podem ter potencial muito interessante no futuro" e a NOS Sports "é uma delas".

O administrador executivo da NOS recordou que a operadora é 'naming sponsor' da Liga de futebol, pelo que "faz sentido" que um canal de desporto "esteja em cima da mesa".

Questionado quando é que o canal será lançado, Luís Nascimento disse que o facto de haver um registo da marca não quer dizer que o canal avance.

"Não estou a dizer que o canal vai chegar, equacionamos esse canal", afirmou.

Sobre se existe mais alguma área temática que suscite a criação de um outro canal próprio, o gestor admitiu que sim, mas não adiantou mais pormenores.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.