Movimento de Utentes da EN125 explica urgência para reparar via a parlamentares

O Movimento de Cidadania dos Utentes da Estrada Nacional 125 (EN125) -- Sotavento expôs hoje, no Algarve, a uma delegação da Assembleia da República, os motivos que o levaram a pedir ao parlamento a requalificação urgente daquela via.

A petição "Pela dignidade e segurança na EN 125 -- obras de requalificação imediata no troço entre Olhão nascente e Vila Real de Santo António" foi subscrita por mais de 7.000 pessoas e entregue pelo Movimento no parlamento, que nomeou como relator o deputado do PSD, Cristóvão Norte, um dos parlamentares que hoje se reuniram no Algarve com a estrutura representativa dos utentes.

O encontro, realizado em Vila Real de Santo António, foi o primeiro deste tipo que se realizou fora da Assembleia da República, onde se decorrem habitualmente todas as audições de peticionários, e permitiu ao Movimento "expor os seus motivos e argumentações" para exigir a requalificação urgente da EN125 na zona do sotavento algarvio.

A audição de peticionários para documentos com mais de 1.000 assinaturas é obrigatória e Cristóvão Norte considerou que a realização do encontro em Vila Real de Santo António fez com que "fosse a Assembleia da República a ir ao encontro dos cidadãos, em proximidade e permitindo-lhes acompanhar o processo, numa matéria que suscita muito interesse" e realizar "algo -- audição de peticionários fora da Assembleia da República - que nunca se fez no Algarve e quase nunca no país".

O caráter "quase inédito" da iniciativa também foi destacado por Hugo Pena, do Movimento de Cidadania dos Utentes da EN125 -- Sotavento", que traçou à agência Lusa o cenário que espera no parlamento.

Hugo Pena adiantou que o deputado relator vai fazer o seu trabalho "e apresentar o relatório dentro de duas ou três semanas", mas reconheceu que o debate da petição no plenário já não vai ser neste ano parlamentar.

"Antes de setembro já não será", disse Hugo Pena, que se mostrou "muito satisfeito" com todo o trabalho realizado pelo Movimento para trazer para a ordem do dia a urgência da requalificação da EN125 entre Vila Real de Santo António e Olhão, onde são visíveis os sinais de degradação, sobretudo entre a cidade vila-realense e altura, no concelho de Castro Marim.

O dirigente do Movimento considerou que o "trabalho de pressão" feito sobre as entidades oficiais, e que tem contado com o apoio das Câmaras de Vila Real de Santo António e Castro Marim, tem levado inclusivamente à atuação das Infraestruturas de Portugal (IP), que em abril anunciou a realização de trabalhos de recuperação urgente nesse troço da EN125, ao longo de cerca de 38 quilómetros.

"Não é coincidência que, poucos dias depois da entrega da petição na Assembleia da República, a IP viesse anunciar as obras urgentes e hoje, que foi o encontro, viesse dizer que a consignação tinha sido feita hoje", afirmou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG