Juventudes partidárias defendem uma diferente abordagem aos jovens

Representantes das juventudes partidárias defenderam hoje ser necessária uma abordagem diferente aos jovens para que estes se envolvam com maior profundidade na vida política.

A presidente da JSD, Margarida Balseiro Lopes que falava à agência Lusa à margem de uma conferência no Centro Cultural de Cascais, no distrito de Lisboa, subordinada ao tema "Que Causas Movem os Jovens?", afirmou que a juventude continua a interessar-se por política apesar de o fazer através de diferentes meios.

"A ideia que eu tenho é que os jovens estão afastados da classe política, dos partidos e da política convencional o que não significa que não se interessem por política ou pelos temas que lhes dizem respeito. Há é outras formas de participar. Hoje em dia não se têm de circunscrever aos partidos ou às juventudes partidárias ou associações, há outros foros menos formais que lhes permitem que eles possam dar a sua opinião", afirmou.

Para o secretário-geral da JS, Ivan Gonçalves importa também que os partidos "deem espaço às novas gerações".

"É importante que os partidos se vão rejuvenescendo (...) Cabe também aos partidos darem espaço para que estas novas gerações possam ter alguma preponderância no seu seio", afirmou, destacando ainda a importância de eventos que promovam informalmente o contacto entre políticos e jovens, para que possam fomentar a partilha de experiências.

Questionado sobre o envolvimento das associações estudantis com os movimentos partidários, o presidente da JP, Francisco Rodrigues dos Santos, afirmou que ambas "preenchem um campo fundamental para a cidadania ativa".

"As juventudes partidárias assim como o associativismo académico devem encarar a sua participação cívica como um dever moral. Há causas e bandeiras que dizem diretamente respeito à juventude e precisam de ser abraçadas pelos mais jovens e não pelos anciãos ou pelas gerações que nos precederam. Sobretudo, porque se colocam graves entraves à progressão e à mobilidade social das novas gerações, assim como à sua emancipação no contexto social", destacou.

António Azevedo, da JCP, considerou ainda que atualmente é "muito mais fácil" fazer propaganda para uma viagem de finalistas do que "entrar propaganda política numa escola", enfatizando o afastamento dos jovens em resultado de constantes desilusões.

"Uma das grandes razões [para o afastamento da política] é o estado atual do nosso país. Verificamos até hoje os constantes governos PS, PSD e CDS que no meio de inúmeras promessas para a juventude muito poucas foram cumpridas e isso, claramente, contribuiu para uma desilusão dos jovens face à política", afirmou António Azevedo.

Diogo Alexandre, membro da Coordenadora nacional de jovens do BE referiu também que a "despolitização dos jovens" é fruto das imposições de horários sobrecarregados e "demasiada burocracia" que, afirmou, derivam numa "despolitização geral da sociedade".

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.