Junta da Estrela em Lisboa apoia petição a exigir segurança rodoviária na Infante Santo

Lisboa, 07 jun 2019 (Lusa) -- O presidente da Junta de Freguesia da Estrela exigiu hoje da Câmara Municipal de Lisboa "medidas de acalmia do tráfego" na Avenida Infante Santo e mais "zonas de atravessamento", apoiando uma petição com 559 assinaturas.

"Ao longo do primeiro mandato como do segundo, em vários momentos, tentámos sensibilizar a Câmara a introduzir medidas de acalmia de tráfego e um maior número de zonas de atravessamento", defendeu Luís Newton (PSD) em declarações à Lusa.

O autarca é hoje ouvido pela comissão de Transportes, Mobilidade e Segurança na Assembleia Municipal de Lisboa, no âmbito de uma petição que exige segurança rodoviária na Infante Santo, com a qual diz concordar "totalmente".

Os peticionários pedem a "intervenção urgente nesta avenida, a exemplo do que já tem sido feito em outras avenidas igualmente perigosas em Lisboa, de modo a serem construídas alternativas de passagem, que obriguem os condutores a reduzir a velocidade, visando garantir a melhoria das condições de segurança de quem ali passa diariamente".

A petição é dirigida à Junta de Freguesia da Estrela, Câmara Municipal de Lisboa, Assembleia Municipal de Lisboa e Presidência da República.

Para o presidente da Junta, as medidas mais indicadas já foram ponderadas anteriormente em articulação com a Câmara, mas não avançaram, e excluem a utilização de radares.

"As soluções, que até já estiveram em cima da mesa, são a introdução de zonas de atravessamento, diminuição da velocidade das viaturas, assegurar uma forma de reduzir o estreitamento das faixas de rodagem, marcadores centrais para assegurar a separação entre os dois sentido", apontou.

Luís Newton pediu à PSP dados atualizados sobre a sinistralidade naquela avenida, mas, com base em "dados do passado", refere que "não só o número de acidentes era significativo, como o numero de atropelamentos, por viaturas que fazem inversão de marcha era significativo".

"É um duplo sinal de perigo: não só o trânsito circula de forma perigosa, como periga ainda mais as pessoas que têm de correr riscos ao atravessar", sustentou.

O autarca da Estrela afirmou que "já houve alguns compromissos da Câmara, que nunca se vieram a concretizar", e que a Junta "tem procurado apoiar estas iniciativas cívicas que tem por objetivo mostrar que o que está em causa não é uma qualquer visão política, mas é uma preocupação de cidadania".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG