Investigadores criam alimentos benéficos para a saúde a partir de resíduos do vinho

Investigadores do Porto estão a aproveitar os resíduos da vinha e do vinho, nomeadamente a lenha da poda, o engaço e o bagaço de uva, para criar novos alimentos funcionais benéficos para a saúde, como iogurtes e sumos.

Um alimento funcional "é um alimento ao qual se adiciona uma função adicional, que neste caso está relacionada com a promoção da saúde ou a prevenção de doenças, através da incorporação de um ou mais ingredientes", explicou a investigadora Joana Oliveira, do Departamento de Química e Bioquímica da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (DQB-FCUP), responsável pelo projeto.

No projeto Vine&Wine Residues, a equipa pretende recuperar os compostos fenólicos (que derivam do metabolismo secundário das plantas e estão envolvidos no crescimento e na regulação da maturação dos frutos) de diferentes resíduos agroalimentares provenientes da atividade da vinha e do vinho, que são produzidos em grandes quantidades em Portugal.

Nos alimentos, esses compostos são responsáveis por algumas das suas propriedades organoléticas, nomeadamente a adstringência (sabor), devido à presença de taninos, e a cor, proveniente das antocianinas (pigmentos vermelhos), explicou a investigadora, que também faz parte do laboratório associado REQUIMTE LAQV.

Os compostos fenólicos aproveitados dos resíduos, continuou, serão depois incorporados em alimentos como o iogurte, os sumos e os gelados, criando assim novos produtos alimentares com benefícios acrescidos para a saúde humana.

A equipa de investigação tenciona ainda transformar quimicamente as antocianinas recuperadas do bagaço de uva em compostos azuis, que podem ser utilizados pela indústria alimentar como corantes, em alternativa às moléculas sintéticas. 

"Ao longo dos anos, têm sido associados diferentes benefícios ao consumo de compostos fenólicos para a saúde, devido às propriedades antioxidantes, à capacidade de captar radicais livres, à prevenção da peroxidação das lipoproteínas de baixa densidade (LDL) e dos lípidos e à inibição da agregação das plaquetas sanguíneas, que são os principais mecanismos descritos na origem da arteriosclerose e das doenças cardiovasculares", indicou.

A ideia para o aproveitamento dos resíduos da gerados durante a produção do vinho para criar novos produtos benéficos para a saúde vai ao encontro das diretivas da União Europeia para a gestão dos resíduos agroalimentares presentes no programa Horizonte 2020, que passam por reciclar, reutilizar e recuperar, acrescentou.

Nas diferentes fases do projeto, que iniciou em junho de 2016, os investigadores já extraíram e caracterizaram os compostos fenólicos da lenha da poda, do engaço e do bagaço de uvas e já transforma quimicamente as antocianinas extraídas do bagaço de uva em pigmentos azuis (designados portisinas e dímeros de piranoantocianina).

"Neste momento estamos a estudar a interação entre os compostos obtidos com derivados de lenhina (outro composto fenólico), de modo a estabilizar a cor dos pigmentos ou aumentar a solubilidade em sistemas aquosos, para que a sua aplicação em matrizes alimentares seja possível", esclareceu Joana Oliveira.

Para que estes compostos possam exercer uma função de acrescentado valor para a saúde, serão também realizados ensaios de biodisponibilidade e da sua estabilidade durante o processo digestivo, disse ainda.

Deste projeto fazem parte oito investigadores do REQUIMTE LAQV do DQB-FCUP, dois do REQUIMTE LAQV da Universidade Nova de Lisboa e um da Unidade de Investigação de Química Orgânica, Produtos Naturais e Agroalimentares (QOPNA) da Universidade de Aveiro.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...