Web Summit: Ativistas fazem intervenção contra exploração de petróleo e gás

Cerca de meia centena de ativistas realizaram uma intervenção pacífica com tricô, danças e distribuição de panfletos hoje no Parque das Nações para dizer "não à exploração de petróleo e gás" em Portugal.

No último dia da conferência tecnológica Web Summit alguns ativistas faziam tricô e croché para evitar uma subida de 2.º Celsius nas temperaturas globais, valor entendido pela comunidade científica internacional como o ponto de "não retorno para as catástrofes climáticas", revelou a organização da campanha Linha Vermelha, envolvida na intervenção, em comunicado.

De acordo com a representante do Centro Internacional de Pesquisa Para a Paz, presente nas imediações da Web Summit, Isabel Rosa, a demonstração foi realizada hoje porque durante a conferência tecnológica esteve presente Al Gore e, como tal, o objetivo foi associar o discurso do ecologista com a "não perfuração do petróleo e gás natural na costa portuguesa".

Os ativistas querem impacto e que as pessoas tenham cada vez "mais consciência" de que estamos num momento de transição, porque "há muita energia solar em Portugal que não é aproveitada", visto que os portugueses não usam "nem um terço" da energia solar, disse a representante à Lusa.

Isabel Rosa admitiu hoje que os cidadãos não podem explorar tanto a Terra, porque é como se se estivessem a explorar a eles próprios e alertou que "para sobrevivermos neste planeta" temos de transitar para as energias renováveis, tais como a solar, geotérmica, do vento e do mar.

Em nome das gerações futuras, insistem que os combustíveis fósseis devem permanecer debaixo do chão, visto que "Portugal pode e deve ser um País pioneiro nessa prática e um exemplo para a transição energética", afirmou a responsável num comunicado enviado à Lusa.

A campanha Linha Vermelha, representada por João Costa, está a desenvolver uma linha vermelha em tricô porque é um material reaproveitável e, com todo o trabalho manual desenvolvido, no fim da campanha, a ideia é "reaproveitar e fazer mantas e cachecóis".

O objetivo desta campanha é que os cidadãos percebam o quão "grave" se continuarem a explorar os combustíveis fósseis.

Com este projeto, João Costa pretende construir, com a ajuda dos seus ativistas, cerca de 52 quilómetros de linha vermelha feita através de trabalho manual.

Ler mais

Premium

João Taborda da Gama

Ora dá cá um

Depois do grande holocausto do beijinho, iniciado na década de oitenta pelo jet seis lisboeta, e depois copiado por todos aqueles que almejavam lá chegar, aterrando de copo na mão e pernas entrelaçadas nas páginas da Olá Semanário, quiçá numa festa em tafetá no T-Clube, ou bronzeados no Ancão, temos agora o professor poliamor do Prós e Contras a querer cortar no grande maná de beijinhos que é repenico entre avós e netos. Mas, antes dos netos, vamos aos betos, porque foram eles que começaram com isto tudo de acabar com o beijo.