Votação do novo Código Penal angolano novamente adiada

A aprovação do novo Código Penal angolano, em substituição do diploma em vigor, de 1886, voltou a ser adiada, para a sua conformação a um conjunto de leis que o deverão acompanhar, informou hoje fonte oficial.

A Assembleia Nacional de Angola tinha agendada para hoje a votação final global da proposta de Lei que aprova o Código Penal, diploma envolto em acesa polémica relativamente à questão do aborto, no que diz respeito à sua criminalização total ou abertura para algumas exceções.

Em declarações à imprensa, no final da sessão plenária, o ministro da Justiça e dos Direitos Humanos de Angola, Rui Mangueira, frisou que o código, no geral, foi muito bem recebido, tendo todas as propostas sido aceites pelos deputados.

"Temos praticamente o código terminado", disse o ministro, admitindo, no entanto, a necessidade de se levar em consideração "grande parte das opiniões no sentido de que existem um conjunto de leis que deverão acompanhar o Código Penal".

"E, neste caso, referimo-nos ao Código Processual Penal, que é um código fundamental para que o Código Penal seja perfeitamente bem apoiado", disse.

Rui Mangueira referiu que, aliada à necessidade de conformação a outras leis, existem também um conjunto de ações, sobretudo no que diz respeito à formação de magistrados, que devem ser feitas num período de médio prazo".

"Pelo menos até seis meses, no sentido de haver uma adaptação e divulgação dos institutos novos que merecem uma nova tutela penal e que constam do Código Penal e do Código do Processo Penal", referiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Eslováquia

Iveta Radicová: "Senti pressões de grupos criminosos todos os dias"

Foi a primeira mulher na Eslováquia a ter a cátedra de Sociologia, a disputar uma segunda volta nas eleições presidenciais e a exercer o cargo de primeira-ministra, entre 2010 e 2012. Enquanto governante sofreu na pele ameaças, mas o que agora a inquieta é saber quem são os responsáveis pela desinformação e discurso de ódio que a todos afeta nas redes sociais.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.