Vitória de Guimarães B começa temporada com três reforços e cinco ex-júniores

O Vitória de Guimarães confirmou hoje que a equipa B, da II Liga portuguesa de futebol, arrancou a época 2017/18 com um plantel provisório de 26 jogadores, entre os quais três reforços e cinco jogadores oriundos da formação.

O Vitória B cumpriu na segunda-feira, de acordo com nota no sítio oficial, o primeiro treino da época, a quarta seguida no segundo escalão, com as três aquisições já garantidas: o guarda-redes Tiago Martins, ex-Vilafranquense, do Campeonato de Portugal, o lateral-direito Nikolaesh, ex-União de Leiria, também do terceiro escalão, e o extremo Artur Abreu, ex-Union Titus Pétange, do Luxemburgo.

O plantel às ordens do técnico Vítor Campelos - parte para o terceiro ano no comando da equipa B vitoriana - acolheu também cinco futebolistas provenientes dos juniores: o guarda-redes Dani Figueira, ausente por estar com a seleção portuguesa sub-19, no europeu da Geórgia, os defesas Romain e Jorginho e os médios João Bruno e Reisinho.

O início dos trabalhos dos minhotos, 11.os classificados no último campeonato, assinalou ainda os regressos do extremo Cláudio e do avançado Areias dos empréstimos ao FC Porto B, e do lateral-esquerdo Marcílio, que esteve cedido ao Sporting da Covilhã na segunda metade da época passada.

Já o médio André Almeida, de 17 anos, e o ponta de lança húngaro Bence Biró voltam a começar a temporada na equipa B, depois de, no decurso da época anterior, terem 'baixado' à equipa sub-19, e juntam-se aos outros 13 elementos que transitaram do ano passado.

Os reforços, os regressados e os jogadores provenientes da formação colmatam a promoção de oito jogadores à equipa principal neste início de época - o guarda-redes Miguel Oliveira, os defesas Sacko, Marcos Valente e Vigário, os médios Kiko e Joseph e os avançados Hélder Ferreira e Xande Silva.

A equipa de Vítor Campelos perdeu ainda o lateral-direito Alex Pinto, que, na época passada, realizou quatro jogos na II Liga, antes de rumar ao Benfica, neste defeso, o médio Fernandinho, que ingressou no Famalicão, do mesmo escalão, e ainda o extremo Sérgio Ribeiro e o avançado Bruno Mendes.

O Vitória de Guimarães B disputa o primeiro jogo de pré-época a 12 de julho, quando receber o Penafiel, da II Liga, e já agendou, pelo menos, outro compromisso, com o Torcatense, equipa vimaranense que milita no Campeonato de Portugal, a 29 de julho.

Plantel provisório Vitória de Guimarães B para 2017/18:

- Guarda-redes: André Costa, Tiago Martins (ex-Vilafranquense) e Dani Figueira (ex-júnior).

- Defesas: Nikolaesh (ex-União de Leiria), Dénis Duarte, Ricardo Carvalho, Marouane, Romain Correia (ex-júnior), Jorginho (ex-júnior), Marcílio (ex-Sporting da Covilhã) e Formiga.

- Médios: Al Musrati, Phete, Mimito, Castro, João Bruno (ex-júnior), Haashim Domingo, André Almeida e Reisinho (ex-júnior).

- Avançados: João Correia, Cláudio (ex-FC Porto B), Rui Gomes, Artur Abreu (ex-Union Titus Pétange, Lux), Bence Biró, Haman e Areias (ex-FC Porto B).

Treinador: Vítor Campelos.

Saíram: Miguel Oliveira (equipa principal), Sacko (equipa principal), Alex Pinto (Benfica), Marcos Valente (equipa principal), Vigário (equipa principal), Kiko (equipa principal), Joseph (equipa principal), Fernandinho (Famalicão), Sérgio Ribeiro, Hélder Ferreira (equipa principal), Xande Silva (equipa principal) e Bruno Mendes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.