Vinte e dois escritores confirmados no Festival Literário Internacional do Interior

Um total de 22 escritores nacionais e estrangeiros, lote que inclui o chileno Luís Sepúlveda e a ativista dos direitos humanos libanesa Joumana Haddad, foi hoje confirmado no Festival Literário Internacional do Interior, que decorre em junho.

De acordo com informação adiantada à agência Lusa pela Arte-Via Cooperativa, promotora do festival, entre os autores estrangeiros está ainda confirmada a presença de Armen Yañez (Chile), Mempo Giardinelli (Argentina), Rafique-um-Munir Chowdhury (Bangladesh), os croatas Seid e Sibila Serdarevic, Julia Wong (Peru), Yao Feng (Macau), os brasileiros Sónia Freitas e José Mauro Brant, e Prabda Yoon (Tailândia).

Os autores portugueses que já confirmaram a presença no evento, designado FLII - Palavras de Fogo, são José Luís Peixoto, Pedro Mexia, Ana Filomena Amaral (presidente da entidade promotora), Inês Pedrosa, Dulce Carvalho, Nuno Júdice, Clara Pinto Correia, Maria Antónia Palla, Jacinto Lucas Pires e João Tordo.

De acordo com a nota da Arte-Via, o festival "possui um caráter inovador", já que, para além de ser uma realização intermunicipal abrangendo 12 municípios afetados pelos fogos florestais de 2017, "pretende levar os livros e os escritores aos sítios mais inusitados e imprevisíveis, como fábricas, campos, escolas, praias, igrejas, mercados, romarias, locais onde as pessoas trabalham e convivem", argumenta.

"Ou seja, os livros vão ao encontro dos públicos", adianta a cooperativa promotora.

O comunicado frisa que o FLII - Palavras de Fogo conta já com parcerias com festivais congéneres, entre os quais o Folio (Portugal), The Script Road (Macau), Fraktura (Croácia), Fli Araxá (Brasil), Galway Literary Festival (Irlanda), Vilenica International Literary Festival (Eslovénia) e Mundo do Sal (Cabo Verde).

O festival, sediado na Lousã, distrito de Coimbra, decorre entre 15 e 19 de junho e engloba ainda os municípios de Arganil, Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos, Miranda do Corvo, Oliveira do Hospital, Pampilhosa da Serra, Pedrógão Grande, Penela, Sertã, Tábua e Vila Nova de Poiares.

De acordo com a Arte-Via Cooperativa, o programa, que será divulgado oportunamente, incluirá "vários painéis com escritores, poetas, jornalistas, agentes culturais, tradutores, diretores de festivais e editores", em todos os municípios abrangidos.

A programação incluirá também 'workshops', apresentações de livros, música, teatro, exposições e sessões de cinema, uma maratona cultural de 16 para 17 de junho "em todos os concelhos" com várias atividades e a criação de uma residência literária.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.