Vinte e dois escritores confirmados no Festival Literário Internacional do Interior

Um total de 22 escritores nacionais e estrangeiros, lote que inclui o chileno Luís Sepúlveda e a ativista dos direitos humanos libanesa Joumana Haddad, foi hoje confirmado no Festival Literário Internacional do Interior, que decorre em junho.

De acordo com informação adiantada à agência Lusa pela Arte-Via Cooperativa, promotora do festival, entre os autores estrangeiros está ainda confirmada a presença de Armen Yañez (Chile), Mempo Giardinelli (Argentina), Rafique-um-Munir Chowdhury (Bangladesh), os croatas Seid e Sibila Serdarevic, Julia Wong (Peru), Yao Feng (Macau), os brasileiros Sónia Freitas e José Mauro Brant, e Prabda Yoon (Tailândia).

Os autores portugueses que já confirmaram a presença no evento, designado FLII - Palavras de Fogo, são José Luís Peixoto, Pedro Mexia, Ana Filomena Amaral (presidente da entidade promotora), Inês Pedrosa, Dulce Carvalho, Nuno Júdice, Clara Pinto Correia, Maria Antónia Palla, Jacinto Lucas Pires e João Tordo.

De acordo com a nota da Arte-Via, o festival "possui um caráter inovador", já que, para além de ser uma realização intermunicipal abrangendo 12 municípios afetados pelos fogos florestais de 2017, "pretende levar os livros e os escritores aos sítios mais inusitados e imprevisíveis, como fábricas, campos, escolas, praias, igrejas, mercados, romarias, locais onde as pessoas trabalham e convivem", argumenta.

"Ou seja, os livros vão ao encontro dos públicos", adianta a cooperativa promotora.

O comunicado frisa que o FLII - Palavras de Fogo conta já com parcerias com festivais congéneres, entre os quais o Folio (Portugal), The Script Road (Macau), Fraktura (Croácia), Fli Araxá (Brasil), Galway Literary Festival (Irlanda), Vilenica International Literary Festival (Eslovénia) e Mundo do Sal (Cabo Verde).

O festival, sediado na Lousã, distrito de Coimbra, decorre entre 15 e 19 de junho e engloba ainda os municípios de Arganil, Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos, Miranda do Corvo, Oliveira do Hospital, Pampilhosa da Serra, Pedrógão Grande, Penela, Sertã, Tábua e Vila Nova de Poiares.

De acordo com a Arte-Via Cooperativa, o programa, que será divulgado oportunamente, incluirá "vários painéis com escritores, poetas, jornalistas, agentes culturais, tradutores, diretores de festivais e editores", em todos os municípios abrangidos.

A programação incluirá também 'workshops', apresentações de livros, música, teatro, exposições e sessões de cinema, uma maratona cultural de 16 para 17 de junho "em todos os concelhos" com várias atividades e a criação de uma residência literária.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).