Versão moderna de velas pode ser caminho para reduzir emissões poluentes de navios

Uma versão moderna de vela, mais parecida com uma chaminé giratória, é uma solução estudada por algumas companhias de navegação para tornar menos poluente um setor que emite quase mil milhões de toneladas de dióxido de carbono por ano.

Tal como a aviação, o transporte marítimo não está coberto pelos compromissos do Acordo de Paris sobre redução de emissões de gases com efeito de estufa porque não se consegue determinar a responsabilidade de cada país nas emissões daí resultantes.

As emissões do setor da navegação, que move constantemente cerca de 50 mil navios, deverão aumentar entre 50 e 250 por cento até 2050 se nada for feito, e é com isso que contam empresas tecnológicas que estão a vender as velas futuristas que convertem o vento em força motriz para os navios.

"É uma tecnologia antiga", afirmou à Associated Press o presidente da empresa finlandesa Norsepower, que fabrica "velas rotor", uma das hipóteses que algumas empresas de navegação já estão a experimentar, depois de a Organização Marítima Internacional, a agência marítima da ONU, ter concordado em abril passado cortar metade das emissões até 2050.

A agência pretende que os navios comecem a usar combustível com baixo teor de enxofre já em 2020, o que obrigará os armadores a usar combustíveis mais caros e a instalar filtros nos escapes dos motores.

As velas modernas aproveitam até o vento que sopra de lado, usando um princípio delineado em 1920 pelo engenheiro alemão Anton Flettner, que na altura não vingou porque o combustível era bastante mais barato.

Num dia com vento, os rotores conseguem fornecer até metade da propulsão necessária para fazer deslocar um navio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.