Utentes e profissionais do Centro de Saúde de Aveiro indignados com Polícia Municipal

Um "manifesto de indignação" de profissionais e utentes do Centro de Saúde de Aveiro vai ser enviado à Câmara de Aveiro, em protesto pela operação da Polícia Municipal que decorreu hoje nas imediações.

Dezenas de automóveis foram autuados pela Polícia Municipal, tanto de profissionais que ali prestam serviço, como de utentes e familiares que os acompanhavam às consultas e tratamentos, alegadamente por estarem indevidamente estacionados.

No "manifesto", os profissionais de saúde afirmam "a sua indignação perante a Câmara Municipal de Aveiro, pela forma desleal como um grave e longo problema de estacionamento foi abordado pelos responsáveis autárquicos que enviaram a Polícia Municipal, sem qualquer advertência prévia à instituição, multando todas as viaturas que não estariam em situação regular".

As instalações do Centro de Saúde de Aveiro foram construídas ao abrigo de um acordo firmado pela própria câmara com a Administração Regional de Saúde, mas, segundo os profissionais, desde a sua inauguração "a insuficiência de estacionamento sempre se verificou".

Apesar disso, acentua o texto, "o bom senso e educação dos profissionais e dos utentes permitiu, até à data, a utilização do espaço sem qualquer conflito".

O "manifesto de indignação" pede à Câmara de Aveiro não só "a anulação das medidas punitivas", ou seja, dos autos levantados na operação realizada hoje pela polícia Municipal, como também "todo o esforço necessário das entidades para solucionar o grave problema de estacionamento".

A Lusa tentou, sem sucesso, obter uma reação ou esclarecimento da Câmara de Aveiro, que tutela a Polícia Municipal.

Lusa / Fim

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.