Universidade Nova estuda desigualdade de género na instituição

A Universidade Nova de Lisboa está a fazer uma radiografia da presença das mulheres em cargos de decisão da instituição para apresentar medidas que garantam a igualdade de género, revelou à Lusa a vice-reitora.

"Embora existam muitas recomendações do Governo, o que se passa depois, em termos práticos, é muito diferente", lamentou Elvira Fortunato, vice-reitora da Universidade Nova de Lisboa, em declarações à Lusa.

Durante muitos anos, Elvira Fortunato foi contra a ideia de criar quotas para as mulheres, mas entretanto mudou de ideias: "Achava que deveríamos chegar aos cargos por mérito mas o que observei, ao longo do tempo, foi que isso nunca acontece", observa.

Hoje é uma defensora das quotas, tal como acontece em instituições de ensino superior alemãs ou suecas.

É precisamente com o apoio de uma universidade alemã - Universidade de Aachen - que a equipa liderada por Elvira Fortunato está a trabalhar com o objetivo de promover o equilíbrio de géneros nos órgãos de decisão das organizações universitárias.

Mas primeiro é preciso conhecer a realidade da Nova.

Elvira Fortunato sabe que no ensino superior português os cargos de chefia são ocupados maioritariamente por homens: "Há poucas reitoras, há poucas diretoras de faculdade, há poucas diretoras docentes. E à medida que vamos descendo o número de mulheres vai aumentando", conta.

"Sei que há muito menos mulheres catedráticas do que homens", acrescenta, deixando uma interrogação no ar: "Em termos de projetos de investigação, quem tem mais projetos ganhos? São homens, são mulheres?".

É precisamente este tipo de dados que vão ser recolhidos e trabalhados durante os próximos meses para que a desigualdade de género deixe de ser uma perceção e passe a ser um facto.

A radiografia, que deverá estar concluída dentro de seis meses, vai mostrar a relação entre homens e mulheres em cargos de administração, na docência e na investigação.

O objetivo é criar um Gabinete de Igualdade de Oportunidades, que possa chamar a atenção para os problemas e implementar planos de promoção da igualdade de género nas instituições.

"Muitas universidades [no estrangeiro] já têm gabinetes de igualdade de oportunidades ou de género", sublinha a vice-reitora, explicando que as instituições mais avançadas nesta matéria estão agora a ajudar quem está a dar os primeiros passos.

Universidades na Alemanha, Dinamarca e Suécia vão apoiar a Nova, assim como outras duas instituições búlgaras e uma croata, através de um programa financiado pela União Europeia (UE): "Supporting and Implementing Plans for Gender Equality in Academia and Research".

No total, o SPEAR integra onze instituições universitárias de nove países da Europa, com o objetivo de aumentar a participação das mulheres na Investigação e Inovação assim como melhorar as suas perspetivas de carreira.

A disparidade de acesso a cargos de chefia está identificada como um problema pela UE que lançou este programa de promoção da igualdade de género na Academia e Investigação ao qual atribuiu três milhões de euros para os próximos quatro anos.

Exclusivos

Premium

Betinho

"NBA? Havia campos que tinham baldes para os jogadores vomitarem"

Nasceu em Cabo Verde (a 2 de maio de 1985), país que deixou aos 16 anos para jogar basquetebol no Barreirense. O talento levou-o até bem perto da NBA, mas foi em Espanha, Andorra e Itália que fez carreira antes de regressar ao Benfica para "festejar no fim". Internacional português desde os Sub-20, disse adeus há seleção há apenas uns meses, para se concentrar na carreira. Tem 34 anos e quer jogar mais três ou quatro ao mais alto nível.