Universidade de Vila Real com 2ME para desenvolvimento agrário

A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) está a participar em 20 projetos que visam a inovação no setor agrário e envolvem um financiamento de dois milhões de euros para a instituição, foi hoje anunciado.

A UTAD, localizada em Vila Real, referiu que no âmbito Programa de Desenvolvimento Rural (PDR 2020) está a participar em 20 projetos que envolvem sobretudo investigadores das escolas de Ciências Agrárias e Veterinárias e Vida e Ambiente e contam com a parceria de 135 entidades, entre autarquias, empresas, cooperativas, associações e produtores.

"Com as parcerias constituídas para cada projeto pretende-se desenvolver um plano de ação visando a inovação no setor agrícola, respondendo a problemas concretos ou necessidades que se colocam à produção e aos agricultores", afirmou, em comunicado, Alberto Baptista, pró-reitor da UTAD.

São projetos que visam, acrescentou, "apoiar a transferência de conhecimento e de tecnologias das instituições de investigação científica para os produtores, ou se necessário apoiar a experimentação agrícola".

Os projetos incidem no setor agrário, em áreas de atuação diversas como a produção animal (pequenos ruminantes, efluentes de pecuária, produtos cárneos, raça arouquesa, leite e vespas), passando pela produção agrícola (olivicultura e azeite, castanheiro, cereja de Resende, frutos secos, gestão stress hídrico de vinhas, combate biológico vinha e frutos secos, valorização frutos secos, proteção fitossanitária maçã) e produção florestal (cancro pinheiro).

A UTAD destacou, por exemplo, o projeto relacionado com a cereja de Resende que "apresenta potencial de crescimento em termos de produção e valor, embora com problemas vários a resolver, relacionados com a adaptação de variedades, as práticas culturais e a organização da comercialização".

Elencou ainda uma outra iniciativa relacionada com os problemas de sanidade animal que afetam os pequenos ruminantes em regiões de montanha, com perdas acentuadas na produção, e onde já escasseia a produção de cabritos ou borregos.

"Estes projetos, quer seja pelos problemas que visam resolver, quer seja pelo elevado número de parceiros envolvidos e a sua diversificação, permitem à universidade afirmar-se, como um ator chave no desenvolvimento regional agrário e rural", afirmou Alberto Baptista.

O pró-reitor sublinhou que é "através da aposta na valorização económica dos recursos agrários regionais, designadamente com mais inovação ao longo da fileira, que deverá assentar o desenvolvimento sustentável do território e a fixação de população".

Os projetos envolvem um financiamento para a UTAD de cerca de dois milhões de euros.

Ler mais

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.