Universidade de Verão do PSD arranca na 2.ªfeira com muitos dirigentes e convidados de outras áreas

A Universidade de Verão do PSD arranca na segunda-feira e conta este ano com três vice-presidentes do partido, figuras de outras áreas políticas como Ribeiro e Castro e Carlos Silva, e Rui Rio no encerramento.

Depois de no ano passado esta iniciativa social-democrata de formação de jovens quadros ter tido como cabeça de cartaz o ex-Presidente da República Cavaco Silva, o eurodeputado Carlos Coelho destaca o equilíbrio do programa da 16.ª edição, que se realiza como habitualmente em Castelo de Vide (Portalegre).

"A Universidade de Verão é sobretudo um espaço de formação e de ação pedagógica e o programa está cheio de pessoas com currículo e muito conhecimento nas áreas de que vão falar", afirmou à Lusa o diretor da iniciativa, sublinhando o equilíbrio entre pessoas da área política do PSD, convidados de outas áreas e independentes.

Como habitualmente, o programa terá conferências em cinco áreas consideradas nucleares para a formação dos cerca de 100 'alunos' selecionados -- Europa, ciência política, economia, comunicação e ambiente -- e um debate confrontacional, este ano sobre os círculos uninominais, bem como jantares-conferência.

A sessão de abertura está marcada para as 18:00 de segunda-feira, com intervenções de Carlos Coelho, do presidente do Instituto Sá Carneiro (um dos promotores da iniciativa, a par do PSD e do Partido Popular Europeu) Alves Monteiro, da líder da JSD e ex-aluna da Universidade, Margarida Balseiro Lopes, e do líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, seguindo-se um jantar com o presidente da Câmara Municipal de Castelo de Vide, António Nobre Pita.

O comissário europeu para a Investigação, Inovação e Ciência Carlos Moedas será o orador da primeira conferência, na terça-feira de manhã, como o tema "A Ciência muda o nosso futuro?", repetindo a presença do ano passado.

Ainda na terça-feira, o professor universitário e coordenador do Conselho Estratégico Nacional (CEN) do PSD para as áreas da Economia, Trabalho e Inovação, Rui Vinhas da Silva, falará sobre "Competitividade, Exportações e Investimento Direto Estrangeiro" e o secretário-geral da UGT, o socialista Carlos Silva, será o convidado do primeiro jantar-conferência.

Na quarta-feira, os primeiros 'professores' serão dois vice-presidentes do PSD: Salvador Malheiro -- que é também docente universitário e doutorado em Ciências da Engenharia -- falará sobre "Energia e Clima 2020", e Nuno Morais Sarmento, com uma intervenção sobre o que é hoje em Portugal a social-democracia.

À noite, outro vice-presidente do partido e presidente do CEN, David Justino, é o convidado do jantar-conferência, a 'meias' com o antigo reitor da Universidade do Porto Sebastião Feyo, que também colabora com este órgão do PSD que tem por missão elaborar o programa do partido.

Na quinta-feira, o debate sobre a criação de círculos uninominais terá como protagonistas o antigo líder do CDS-PP José Ribeiro e Castro e o politólogo Pedro Magalhães, com a presidente da Fundação Champalimaud e antiga ministra da Saúde do PSD Leonor Beleza a repetir a presença habitual no jantar-conferência.

O eurodeputado social-democrata Paulo Rangel, outro 'professor' habitual, falará na sexta-feira de manhã aos alunos da Universidade de Verão sobre "O que se passa com a Europa ?", enquanto o eurodeputado espanhol do PPE José Ignacio Salafranca terá uma intervenção com o tema "Há sinais de esperança num mundo em crise ?" .

À noite, o jantar-conferência será protagonizado por duas jovens vereadoras do PSD, Joana Balsemão e Filipa Roseta, que Carlos Coelho destaca como uma aposta em "figuras novas" da política.

O dia de sábado será sobretudo dedicado a trabalhos internos dos alunos da Universidade de Verão, destacando-se à noite o jantar-conferência com o engenheiro de sistemas e empresário António Murta.

No domingo, o encerramento da Universidade de Verão contará com a intervenção do presidente do partido, Rui Rio, além das de Carlos Coelho e Margarida Balseiro Lopes.

Apesar de o PSD ter diminuído o apoio financeiro à Universidade de Verão, Carlos Coelho assegurou que foi possível manter "o mesmo padrão de qualidade" da iniciativa e manter o mesmo número de alunos, tendo sido selecionados pouco mais de cem.

Este ano, para respeitar os critérios de equilíbrio de género e pluralidade geográfica, registaram-se mais candidatos nos extremos etários permitidos, os 18 e os 30 anos.

De acordo com o diretor da iniciativa, receberam um número recorde de candidatos dos PALOP -- cerca de 60 em 300 candidaturas -- tendo selecionado dez, cinco de Cabo Verde e cinco da Guiné-Bissau. No caso dos candidatos guineenses, Carlos Coelho salientou que muitos apontaram como razão da candidatura a visita recente de Rui Rio à Guiné-Bissau.

A Universidade de Verão do PSD nasceu em 2003, quando o partido era liderado por Durão Barroso, e a ideia inicial era funcionar como um palco de 'rentrée' para o líder, mas acabou por evoluir para um projeto de formação de jovens quadros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.