UGT exige que ex-Presidente brasileiro Lula da Silva seja mantido em liberdade

A central sindical portuguesa União Geral de Trabalhadores (UGT) exigiu hoje, através de um comunicado, que o ex-Presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva seja mantido em liberdade "em nome da justiça e democracia brasileiras".

"A UGT vem acompanhando atentamente a situação política e sindical no Brasil, não podendo deixar de manifestar a sua forte apreensão com as recentes evoluções, nomeadamente com a rejeição pelo Supremo Tribunal Federal (STF) do pedido de habeas corpus do ex-presidente Lula da Silva", indicou a nota enviada à imprensa.

Segundo o texto, "independentemente dos circunstancialismos e das especificidades da situação, o que ficou claro, mais uma vez, é que as decisões que vêm sendo assumidas são fundadas, sobretudo e em primeira linha, num argumentário que, mais do que jurídico, é político".

"E tão mais político se torna quando se encontra em curso o processo que conduzirá às eleições presidenciais de outubro deste ano", sublinhou a UGT.

A central sindical diz que esta é uma situação que considera "insustentável por colocar em causa a indispensável independência que deve existir entre o poder político e o poder judicial, fazendo consequentemente perigar o que é um dos pilares fundamentais de qualquer estado de direito democrático".

"A UGT vem assim juntar a sua voz à do movimento sindical brasileiro e internacional, e manifestar a sua total solidariedade com os que defendem não apenas a libertação do ex-presidente Lula da Silva mas a garantia de uma intervenção realmente isenta do poder judicial, condições essenciais para garantir a estabilidade e o não retrocesso da própria democracia brasileira", refere-se no comunicado, assinado pelo secretário-geral do sindicato, Carlos Silva.

"Em nome da solidariedade! Em defesa da justiça! Em defesa da estabilidade do estado de direito! Em defesa da democracia!", apelou ainda o texto da UGT.

O juiz federal brasileiro Sérgio Moro, responsável pelo processo Operação Lava Jato em primeira instância, determinou na quinta-feira a prisão do ex-Presidente, condenado já em duas instâncias por corrupção e branqueamento de capitais.

Moro deu prazo até hoje, às 17:00 (horário de Brasília, 21:00 de Lisboa) para o ex-Presidente brasileiro se apresentar voluntariamente à Polícia Federal na cidade de Curitiba, no estado do Paraná, sul do Brasil.

Os seus advogados anunciaram entretanto que apresentaram já um novo recurso perante o Tribunal Superior de Justiça para travar a iminente prisão do ex-líder sindical e ex-Presidente do Brasil.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.