Trilogia "O Senhor dos Anéis" vai ser série de televisão

A trilogia "O Senhor dos Anéis" vai ter uma versão de série de televisão, dividida em várias temporadas, responsabilidade da Amazon, que anunciou ter adquirido os direitos televisivos da obra de J.R.R. Tolkien.

De acordo com vários meios de comunicação social internacionais, a adaptação para televisão contará novas histórias ocorridas antes de "A Irmandade do Anel", o livro que forneceu as bases para a primeira parte da trilogia cinematográfica realizada por Peter Jackson.

"Sentimo-nos honrados por trabalhar com a [empresa que administra o legado de J.R.R. Tolkien] Tolkien Estate and Trust, a [editora literária] Harper Collins e a [produtora do grupo Warner Bros.] New Line, nesta excitante colaboração para televisão, e estamos entusiasmados por levar os fãs de 'O Senhor dos Anéis' numa nova viagem épica na Terra Média", afirmou uma das responsáveis da Amazon, Sharon Tal Yguado, citada por vários 'media' internacionais.

A responsável referiu ainda que "O Senhor dos Anéis" é "um fenómeno cultural que captou a imaginação de gerações de fãs, através da literatura e do cinema".

A Amazon ainda não anunciou data de estreia, elenco, argumentistas nem realizadores da série.

As obras "O Hobbit", escrita em 1928, e "Silmarillion", coletânea editada e publicada em 1977, têm histórias que antecedem a trilogia. Os três volumes de "O Senhor dos Anéis" -- "A Irmandade do Anel", "As duas torres" e "O regresso do rei" -- foram originalmente publicados entre 1954 e 1955.

A adaptação cinematográfica, dirigida por Peter Jackson, chegou às salas de cinema entre 2001 e 2003, tendo arrecadado vários prémios.

John Ronald Reuel Tolkien, um dos mais conhecidos autores da literatura fantástica moderna, morreu em setembro de 1973, com 81 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.