Trigo Pereira lamenta PS "a ir além da 'troika'" e deseja Governo "mais realista"

O deputado não-inscrito Paulo Trigo Pereira condenou hoje o grupo parlamentar socialista, do qual já fez parte, por estar "a ir além da 'troika'" em termos de política orçamental e seus limites, desejando que o Governo seja "mais realista".

"Apresentei um projeto de resolução a recomendar ao Governo uma negociação com a Comissão Europeia cujo efeito seria manter a consolidação orçamental atual. Assim evitando quer o laxismo orçamental e o descontrolo financeiro, quer o seu oposto, um esforço excessivo adicional sobre famílias e empresas. O PS foi o único partido que votou contra esse projeto, o que levou à sua rejeição", descreveu, em declaração política, no parlamento.

Trigo Pereira questionou se os deputados do PS se aperceberam do "alcance" do que estava em causa, pois "o voto para manter o objetivo de médio prazo significa exigir que Portugal tenha um excedente primário da ordem dos 4,5% do PIB em 2021, ou seja, 9.000 milhões de euros de excedente primário".

"Tem o grupo parlamentar do PS a noção das implicações orçamentais nos próximos anos da redução das propinas no ensino superior, do descongelamento das carreiras e atualização salarial na função pública, de novos subsídios de apoio aos cuidadores informais, da contratação de mais médicos e enfermeiros? Acho que não. Não é possível melhorar a qualidade dos serviços públicos e querer simultaneamente ter excedentes desta natureza", afirmou.

O parlamentar que se desvinculou dos socialistas insistiu: "estávamos habituados a ver PSD e CDS a ir para além da ?troika', mas ter o PS a aceitar a redução do espaço de decisão democrática nacional e ir para além do Tratado Orçamental, não deixa de ser contraditório e preocupante".

"Só esperamos que o governo do PS seja mais realista e menos conservador do que o seu grupo parlamentar mostrou aqui ser", desejou.

Nenhum grupo parlamentar, nem mesmo o do PS, se mostrou interessado em interpelar Trigo Pereira em seguida para pedidos de esclarecimento.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).