Tribunal vai avaliar falência do colégio Frei Gil

O Tribunal de Comércio de Aveiro vai avaliar se a falência do colégio Frei Gil, em Oliveira do Bairro, foi causada por má gestão ou se foi fortuita, segundo um anúncio publicado no portal Citius.

De acordo com aquele anúncio, o Tribunal de Comércio de Aveiro declarou aberto o incidente de qualificação de insolvência do colégio.

O incidente de qualificação de insolvência foi aberto por despacho de 30 de janeiro de 2018 e é irrecorrível, indica o anúncio.

Segundo fonte judicial, o incidente foi requerido por uma ex-funcionária do colégio, na qualidade de credora da insolvente, e tem como fim qualificar a insolvência como culposa ou fortuita.

No passado mês de novembro, os credores do Instituto de Promoção Social de Bustos (IPSB), que gere o colégio, decidiram avançar para a liquidação e substituir o administrador de insolvência.

Fundado há 32 anos, o colégio está ligado à Obra do Frei Gil, tutelada pela Diocese de Coimbra, mas goza de completa autonomia financeira e administrativa.

Formalmente, é propriedade da Sociedade de Promoção Social de Bustos, uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), mas há oito anos passou a ser gerido pelo IPSB.

Depois de muitas dificuldades devido à redução drástica de contratos de associação no último ano letivo, a entidade proprietária avançou em julho de 2017 com o pedido de insolvência da sociedade gestora da escola, devido a dívidas relacionadas com a rendas do estabelecimento.

Chegou a ser equacionada a possibilidade de integrar o colégio na rede pública, mas as negociações com o Ministério de Educação não deram resultados e o colégio acabou por fechar portas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.