Tribunal de Aveiro condenou incendiário reincidente a cinco de prisão efetiva

O Tribunal de Aveiro condenou hoje a cinco anos de prisão efetiva um incendiário reincidente por ter ateado em julho de 2017 um fogo florestal no concelho de Anadia.

O tribunal deu como provado o crime de incêndio florestal de que o arguido estava acusado.

Durante o julgamento, o homem de 46 anos negou ter ateado o incêndio com intenção, assumindo apenas que possa ter cometido um descuido ao largar o fósforo usado para acender um cigarro.

No entanto, esta versão não convenceu o coletivo de juízes, que entendeu que o arguido agiu com a intenção de deflagrar o incêndio, como veio a ocorrer.

O suspeito foi assim condenado a cinco anos de prisão efetiva. O juiz presidente explicou que o tribunal decidiu não suspender a pena, por não ser possível fazer um juízo de prognose favorável.

Na altura, o magistrado lembrou que o arguido praticou os factos quando estava a beneficiar de uma pena de prisão suspensa de quatro anos, a que tinha sido condenado pelo mesmo tipo de crimes.

O homem vai manter-se em prisão preventiva até se esgotarem as possibilidades de interposição de recurso.

Os factos remontam ao dia 3 de julho de 2017, cerca das 22:00.

Segundo a acusação do Ministério Público, o arguido percorreu de bicicleta uma estrada de terra batida durante cerca de 250 metros e ateou fogo a um amontoado de ervas e folhas secas ali existente, com recurso a fósforos, abandonando o local de seguida.

Alguns minutos depois, automobilistas que passavam no IC2 e que viram as labaredas e o fumo contactaram a GNR e os Bombeiros.

O incêndio que foi combatido por elementos das corporações de Anadia, Oliveira do Bairro e Águeda e uma equipa de sapadores, consumiu cerca de 1.600 metros quadrados de floresta.

A área ardida não tomou maiores proporções devido à imediata reação dos populares e à rápida chegada ao local dos Bombeiros.

O homem foi condenado em maio de 2016 a quatro anos de prisão com pena suspensa por ter ateado dois incêndios florestais no mesmo dia, no lugar de Figueira de Boialvo, em Avelãs de Cima, no concelho de Anadia, que consumiram uma área de 250 metros quadrados de mato e eucalipto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.