Trabalhadores do porto de Bissau manifestam a PR indignação com privatização do porto

O presidente do sindicato dos trabalhadores da Administração do Porto da Guiné-Bissau, Ivo Cá, manifestou hoje ao Presidente guineense, José Mário Vaz, a sua "indignação" pela possível privatização do porto.

"Como sindicato da Administração dos Portos da Guiné-Bissau fizemos este encontro para mostrar a nossa indignação com a privatização do porto. Não estamos de acordo", disse aos jornalistas no final de um encontro com o chefe de Estado guineense, Ivo Cá.

Segundo Ivo Cá, a administração do porto de Bissau faz receitas suficientes para garantir as necessidades de funcionamento, incluindo aquisição de equipamentos.

Questionado pelos jornalistas sobre a resposta do chefe de Estado, Ivo Cá disse que o Presidente está disposto a realizar um encontro entre o sindicato e o Governo.

O Governo deveria ter anunciado em setembro o nome da empresa vencedora do concurso internacional para a gestão do porto de Bissau, mas até ao momento ainda foi divulgada a informação.

A exploração do porto deverá ser entregue a uma empresa das Filipinas ou a uma outra francesa.

A empresa vencedora vai ficar com a responsabilidade de pagar uma dívida de 5,9 milhões de euros à Tertir (Terminais de Portugal) que ao abrigo da empresa Guiport geriu o porto comercial de Bissau entre 1992 e 1999, ano em que o então governo de transição na Guiné-Bissau rescindiu, de forma unilateral, o contrato de concessão e exploração.

O ministro guineense dos Transportes e Comunicações, Fidelis Forbs, indicou à Lusa, no passado mês de julho, que estava tudo encaminhado e explicado aos trabalhadores sobre os moldes da cedência da gestão do Porto comercial de Bissau.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.