Torre em Lisboa de 80ME deve ter "parte significativa" vendida antes da construção

A torre projetada para Campolide, em Lisboa, deverá ter "parte significativa vendida" antes de ser construída, a preços que começam acima dos 3.500 euros por metro quadrado (m2), segundo o promotor deste investimento de 80 milhões de euros.

À agência Lusa, José Cardoso Botelho, diretor-geral da Vanguard Properties, antecipou que, "antes de metade da construção, já estará tudo vendido e uma parte significativa antes de começarem" os trabalhos, que devem terminar em 2020.

O "projeto completo aproxima-se dos 80 milhões de euros", precisou o responsável, indicando que a venda por metro quadrado será "acima dos 3.500 euros" até a um máximo ainda desconhecido. "Acreditamos que os pisos superiores vão atingir um valor bastante mais alto", perspetivou.

A tipologia dos 195 apartamentos varia de T1 a T6, incluindo duplex, "um dos quais do último andar, já está prometido a um cliente português".

Sobre a informação avançada em junho de 2017 de que as obras iriam iniciar-se no início deste ano, o responsável explicou agora que o "projeto demorou mais tempo a ser preparado" e que, assim, as fundações poderão começar a ser construídas "antes do verão".

"Sofisticamos bastante o edifício e, por outro lado, havia algumas questões com os acessos que foram discutidos com a câmara [municipal de Lisboa] e achámos mais prudente a data de outubro [para início das obras], mas é provável que se consiga começar as fundações mais cedo, antes do verão", explicou.

A torre servirá exclusivamente para habitação e inclui vários serviços, como piscinas, 'spa', jardim, campos de padel, área para as crianças, que "não são comuns em Lisboa porque os edifícios no centro são relativamente baixos", notou o responsável.

A arquitetura da torre, os espaços amplos e a diversidade de serviços têm despertado interesse na Turquia, Líbano, Brasil e Portugal e em "pessoas tanto com vontade de viver, como de investir, sobretudo para apartamentos de menor dimensão", segundo José Cardoso Botelho.

A mesma fonte referiu ainda o interesse manifestado numa apresentação recente no Dubai.

Esta torre terá 26 pisos acima do solo, num total de 50.000 m2 de área de construção e contará com 352 vagas de estacionamento no interior do lote, distribuídos por 3 pisos abaixo do solo.

A Vanguard Properties conta com um total de 15 projetos em curso no país, incluindo na Graça, Lapa, na rua Castilho, nas Amoreiras (em Lisboa), uma área de 350 hectares na Comporta e dois no Algarve.

A empresa foi fundada por Claude Berda em associação com José Cardoso Botelho e regista atualmente um volume de investimento superior a 550 milhões de euros.

Segundo informação oficial, este ano a cidade do Porto e outras localizações deverão integrar o seu portfólio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.