Tensões comerciais reduzem ou atrasam investimentos nos Estados Unidos - Fed

A crescente tensão sobre as disputas das tarifas comerciais levou várias empresas dos EUA a "reduzir ou atrasar" as decisões de investimento, embora a economia norte-americana continue a expandir-se num ritmo moderado, anunciou hoje o Reserva Federal (Fed).

"As empresas permaneceram geralmente otimistas em relação às perspetivas de curto prazo, embora a maioria dos distritos tenha expressado preocupação e incerteza sobre as tensões comerciais", diz o relatório da Fed, conhecido como "livro bege", que recolhe informações sobre a atividade nos Estados Unidos da América (EUA) nas últimas semanas.

O relatório salienta que as preocupações levaram várias empresas a "reduzir ou atrasar os investimentos de capital" nas diversas regiões.

No geral, a atividade da economia dos EUA continuou a crescer "num ritmo moderado", adianta o relatório publicado duas semanas antes da próxima reunião monetária da Fed, agendada para os próximos dias 25 e 26.

O documento também se refere às taxas aplicadas pelo Presidente norte-americano, Donald Trump, em relação às importações, que elevaram os preços.

"Os custos com fornecedores aumentaram mais rapidamente que os custos de venda ao público, embora tenha havido um aumento dos esforços para passar essas subidas de custos para os consumidores", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."