Técnico diz que o Real Massamá quer potenciar jogadores sem abdicar dos resultados

O Real Massamá fez hoje, em conferência de imprensa realizada no seu complexo desportivo, a apresentação oficial da equipa que se vai estrear na II Liga e nas competições profissionais de futebol.

Trata-se de um plantel jovem, assente na "prata da casa e com jogadores que se identificam com o perfil de formação que tem marcado a evolução do clube", fez questão em salientar o técnico Filipe Martins, que renovou contrato por mais uma época com a equipa do concelho de Sintra.

O objetivo é claro: "Fazer um campeonato tranquilo e conseguir a manutenção o mais rapidamente possível. Queremos potenciar os nossos jovens jogadores, sem abdicar dos bons resultados", apressou-se a dizer o treinador do Real Massamá.

Quanto ao perfil da maioria das contratações, existe um denominador comum: "Fomos buscar jogadores que já passaram pela formação do Real Massamá e que já conhecem a forma de trabalhar do clube", salientou Filipe Martins.

São os casos de Diogo Coelho, Vasco Coelho, Paulo Silva, Tiago Morgado e Marcos Barbeiro. "Há muita qualidade neste grupo e estamos preparados para o difícil campeonato que vamos enfrentar, embora falte alguma experiência a este grupo", focou o treinador do Real Massamá.

Filipe Martins sublinhou que a equipa continua à procura de reforços, nomeadamente mais um guarda-redes e alguns avançados, "mas o orçamento é limitado e o Real não pode dar passos maiores que a perna, até porque estão a ocorrer modificações estruturais no clube".

Tiago Morgado foi um dos jogadores que a equipa da região de Sintra foi buscar para reforçar o seu plantel. Veio do Moreirense, com 'rodagem' na I Liga.

"Temos qualidade para estar à altura do desafio e é bastante motivador ver este clube crescer. Estou bastante orgulhoso por representar o Real Massamá. Este grupo é bastante profissional", frisou Tiago Morgado.

Marcelo Lopes é um dos futebolistas que transita da última época, depois de ter arrebatado o Campeonato de Portugal. "Vai ser uma experiência nova. O campeonato da II Liga não tem nada a ver com o Campeonato de Portugal. O objetivo aponta apenas à manutenção", disse o avançado.

E a última aquisição do Real foi para a frente atacante. O eleito foi o camaronês Lionnel Yakam, um jovem avançado de 19 anos, ex-Naval 1º Maio, da Figueira da Foz.

Entretanto, o Real Massamá realiza o primeiro jogo particular no domingo de manhã, 10:00 horas, em Almada. O adversário é o Cova da Piedade e a partida realiza-se à porta fechada.

Plantel provisório:

- Guarda-redes: Patrick Costinha e Gonçalo Ferreira.

- Defesas: Jorge Bernardo, Zé Pedro, Paulo Silva (ex-Loures), Diogo Coelho (ex-Santa Clara), Vasco Coelho (ex-Sp. Farense) e Ivan Dias.

- Médios: Rúben Marques, Marlon Costa, Sabry, Kikas, Brash e Tiago Morgado (ex-Moreirense).

- Avançados: Marcelo Lopes, Marcos Barbeiro (ex-Marítimo "B") e Lionnel Yakam (ex-Naval 1º Maio).

Treinador: Filipe Martins.

Saídas: Miguel Assunção, Palmeira, Gonçalo Tavares (Belenenses), Nuno Tomás (Belenenses), Matheus Leal (Benfica "B"), Matheus Costa (Leixões), Thabo Cele (Benfica "B"), Luís Mota, Érico Castro, Allef Rodrigues (V. Setúbal), Nélson Mendes e Marcelo Palácios.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)