Tarantini lança livro 'A Minha Causa', sobre gestão do final de carrreira desportiva

O defesa Tarantini, capitão do Rio Ave, apresentou hoje, no Porto, o livro 'A Minha Causa', que pretende sensibilizar e ajudar jogadores de futebol, e desportistas em geral, a gerir as expectativas e o final de carreira.

O livro, publicado pela Oficina do Livro na terça-feira e hoje apresentado no Porto, reúne as ideias principais de um projeto lançado em 2016 por Tarantini, nome pelo qual é conhecido o futebolista Ricardo José Vaz Alves Monteiro, de 34 anos, que alinha no Rio Ave desde 2008/09.

"Este projeto incide em despertar uma geração de pessoas para o problema que são as transições de carreira, principalmente a transição de final de carreira", referiu à Lusa Tarantini, que destacou o peso que a "ilusão de chegar ao topo" tem na tomada de decisões de jovens jogadores e profissionais de futebol, acabando muitas vezes com dificuldades financeiras depois de abandonarem os relvados.

A ideia de publicar o livro surgiu "numa das palestras" que costuma ministrar junto de clubes, escolas e outras circunstâncias, na qual "um dos miúdos sugeriu a inclusão da mensagem no Plano Nacional de Leitura".

Segundo o médio, "a partir dos 14 ou 15 anos já começam a perceber o problema, numa altura ideal não só para eles como para os pais", mas o jogador do Rio Ave considera que um maior envolvimento dos clubes na gestão da vida pessoal dos atletas "era fundamental".

"Não verem só o jogador como mercadoria e terem essa preocupação. Basta ver todos os jogadores que passaram pela formação dos clubes e ver o que estão a fazer agora. Se tanto falam que também se formam homens pelo desporto, vamos ver isso. É um indicador claro", afirmou o futebolista, que explica que é essencial que os jovens se questionem "se vale a pena apostar tudo" no desporto como rumo para a vida.

Os clubes têm "um papel muito importante", através dos dirigentes e treinadores envolvidos na formação e nos balneários das equipas sénior, das ligas profissionais aos amadores, mas também "os empresários e a família, que no caso dos mais novos são os mais influenciadores".

Da parte de clubes, treinadores e professores, tem recebido "muito 'feedback'", mas menos contacto no que toca aos colegas de profissão.

"O menor que tenho tido, e deixa-me um pouco preocupado, é dos próprios profissionais, tirando o meu balneário. Levanto duas hipóteses: ou o problema não está a ser bem interpretado ou então a existência de algum distanciamento", acrescentou.

Tarantini gostaria que o projeto evoluísse até "uma junção de forças, porque a causa precisa de mais gente".

"Precisava de mais gente, com outro poder, e jogadores de outros níveis, para podermos mostrar que este problema é real", atirou, explicando que é "diferente se for o Tarantini ou o Cristiano Ronaldo a falar disto".

O projeto, a que chama a "causa" de sensibilização perante o futebol e o desporto em geral, assenta agora em quatro eixos, com as palestras e o livro a juntarem-se à investigação e à produção de documentários.

Depois de se tornar mestre em desporto pela Universidade da Beira Interior, o jogador já iniciou o doutoramento com o objetivo de "divulgar dados mais fidedignos sobre a vida dos jogadores portugueses" e o perfil de carreira.

No lado dos documentários, o objetivo é "fazê-los bem feitos, à imagem do que se faz, por exemplo, na liga inglesa, e que têm um grande impacto na sociedade", ainda que acarretem "custos financeiros brutais", o que o levou ao contacto com "várias televisões".

O trabalho é, então, "uma bola de neve que vai crescendo", para que as pessoas possam "perceber realmente a mensagem por detrás", que se baseia nas "decisões tomadas para a vida".

"Infelizmente, conheci de perto o caso do Fábio Faria, que teve de abandonar a carreira aos 23 anos (por problemas cardíacos), e ele diz que, no fim, a vida é o mais importante de tudo", concluiu.

Questionado sobre o arranque da época do Rio Ave, o 'capitão' dos vila-condenses, sextos classificados na I Liga, destacou um "arranque positivo" e com "muitos desafios, com uma ideia de jogo trazida pelo Miguel Cardoso que foi aceite pelos jogadores".

"É uma ideia de jogo que nos valoriza enquanto jogadores, o que vem também na sequência do ano passado", apontou o médio, que alinhou em 13 partidas esta temporada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.