Tancos/Armas: Nível de ameaça a Portugal mantém-se "moderado" - Governo

O nível de ameaça ao país mantém-se "moderado" depois do furto de armas e munições de Tancos, anunciou hoje o ministro Santos Silva, acrescentando que foram tomadas medidas para reforçar a segurança pública.

"O nível de ameaça de Portugal continua a ser um nível moderado. Claro que a avaliação da ameaça faz-se sempre de forma dinâmica e permanente, mas insisto, não temos nenhum elemento que obrigue a alterar o nível de ameaça que está em moderado para o conjunto do país", disse.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, que está em funções como primeiro-ministro nas férias de António Costa, falava aos jornalistas no final de uma reunião conduzida pela secretária-geral do Sistema de Segurança Interna para fazer o ponto de situação na sequência do furto de material de guerra.

Na avaliação feita pelas forças e serviços de segurança, concluiu-se que os efeitos do assalto aos Paióis Nacionais de Tancos, Vila Nova da Barquinha, Santarém, "em termos de segurança interna não é de molde a requerer uma mudança do nível de ameaça identificado".

Apesar disso, o ministro acrescentou que "estão em curso medidas adicionais de reforço da segurança pública, de partilha de informações e de coordenação das ações dos diferentes serviços das forças de Segurança".

O objetivo da reunião, que durou duas horas nas instalações do Sistema de Segurança Interna, Lisboa, era "avaliar eventuais efeitos sobre a segurança interna" do furto de material de guerra, disse, manifestando "toda a confiança em todas as instituições, forças e serviços de segurança" que estão a "dar o seu melhor" nas investigações em curso.

Santos Silva sublinhou que tem havido "partilha imediata" de informação entre todos os serviços e "comunicação de dados na "avaliação permanente do risco e da ameaça em termos de segurança interna" e no que diz respeito às ações necessárias para reforçar "a vigilância, fiscalização dos espaços públicos, de pontos mais sensíveis e das fronteiras".

O ministro recusou responder a perguntas sobre as investigações em curso, alegando ser da competência das autoridades judiciais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.